Novas tecnologias surgem a todo momento como forma de melhorar a qualidade de vida da população e diminuir os custos das grande empresas mundiais. Seguindo esta tendência, a Boeing inova criando um metal mais leve que o ar, segundo o pesquisador Bill Carter.

O microlattice 

No setor de aviação, a redução do peso dos materiais usados na construção de aeronaves é crucialmente importante, uma vez que uma aeronave mais leve exige menos combustível, barateando os custos operacionais das companhias aéreas e consequentemente o preço das passagens.

O Boeing 747 Dreamliner  foi construído com os materiais mais avançados da engenharia aeronáutica, para que seu peso fosse drasticamente menor do que os aviões atuais.

Publicidade
Publicidade

Foram usados materiais mais leves, como fibra de carbono, em vez de alumínio, para gerar a melhor eficiência de combustível da sua classe.

Porém com o novo metal produzido pela Boeing, o “microlattice” será uma revolução na construção de novos aviões. O metal parece uma esponja ou uma malha, e é ao mesmo tempo flexível e muito forte, de acordo com a Boeing, Caso se torne amplamente utilizada, Boeing disse que o material poderia ajudar as companhias aéreas a economizar enormes quantias de dinheiro.

Boeing descreve o novo microlattice como uma "estrutura de polímero aberto celular." O principal uso do material seria componentes estruturais, como paredes laterais ou painéis de piso de jatos comerciais.

O material foi desenvolvido em conjunto pela HRL Laboratories, uma parceria entre a Boeing e a General Motors (GM), em colaboração com a Cal Tech e UC Irvine. O microlattice pesa apenas um décimo da fibra de carbono, e é, na verdade, um pouco mais leve que o ar, disse Bill Carter, o diretor do Laboratório de Sensores e Materiais na HRL.

Publicidade

De acordo com ele o metal será usado primeiramente na construção de foguetes espaciais que a Boeing planeja construir nos próximos anos, e deve consequentemente ser usados em aviões comerciais,após isso, disse Carter. 

Para Carter, o microlattice deverá abaixar o preço de sua produção para ser produzido em grande escala para que seja usado na construção de veículos, sem aumentar o preço final do automóvel, se tornando economicamente viável. #Negócios #Automobilismo #Finança