Que o mundo das redes sociais está em alta não há a menor dúvida. Sites como Facebook eTwitter, entre outros, movem milhões e milhões de dólares com anúncios influenciando assim todo mercado. Porém, toda essa receita fica com os idealizadores e seus investidores. Agora, imagine que você como usuário pudesse receber pelo conteúdo gerado em sua própria rede social? Parece bom demais, certo?

Essa é a ideia principal da mais nova rede social, inaugurada no dia 21 de outubro e ainda pouco conhecida: o TSU. Criada por Sebastian Sobczak para ser uma plataforma de monetização social, a rede reverterá uma porcentagem do lucro obtido através de “curtidas e compartilhamentos” para seu usuário.

Publicidade
Publicidade

O Tsu funciona da mesma forma que o Facebook; você cria a sua página, cria seus “posts”, adiciona amigos, curte e comenta conteúdos publicados. O diferencial dessas nova rede está no perfil que possui uma espécie de conta bancária com um sistema de analytics para que cada usuário possa gerenciar sua própria conta. Nesse sistema você terá acesso do quanto ganhou, de como estão indo suas publicações, visualizações, comentários, seguidores, etc.

Dentro da rede, o que mais gera “lucro” são as visualizações. Através dos convites é criada uma “árvore de contatos” onde os usuários que entram na rede através de convite geram retorno ($) para quem o convidou, parecido com os famosos "sistemas pirâmide"; os valores gerados podem ser resgatados ao atingirem U$ 100,00. Como em qualquer outra rede social o Tsu também possui suas regras, que estão disponíveis em seu FAQ.

Publicidade

E aí, gostou? Ainda está em dúvida quanto à novidade? O Tsu (lê-se "Sue") vem crescendo cada dia mais já ultrapassando 4,5 milhões de usuários em todo mundo, crescimento este que se fosse comparado pelo mesmo período supera o Facebook e twitter juntos.

Grandes produtores como Andrew Fromm, que já trabalhou com Selena Gomez, Backstreet Boys e N’Sync, manifestou ter uma boa relação com a nova rede social. Onde teve um rendimento de US$ 100,00 em três semanas segundo a revista Fast Company, lembrando que esse nível de remuneração em curto prazo é possível para grandes influenciadores na internet. #Entretenimento #Inovação #Internet