O vice-primeiro ministro que cuida da defesa da Rússia, Dmitry Rogozin, falou em entrevista em 23 de dezembro a uma famosa estação de TV de Moscou, capital do seu país, que “atualmente, o objetivo mais primordial é tornar o espaço mais acessível e barato”.

Rogozin ainda complementa de forma bastante clara ao encarar o problema de frente, dizendo: “a concorrência está pisando sobre nossos calos. É o que o multimilionário Musk faz, por exemplo, com os seus projetos...coisas bastantes interessantes, tudo muito bem feito, e a Rússia respeita o #Trabalho desse empreendedor”.

A autoridade russa manifestou os seus comentários após a Space Exploration Technologies Corp., do sul-africano Elon Musk, executar pela 1.ª vez o lançamento e a aterrissagem com sucessos de uma espécie de nave espacial reutilizável ou porque não dizer “reciclável”.

Publicidade
Publicidade

Enfim, surge no horizonte para os russos um momento de desafio, na medida em que o êxito de Musk no que diz respeito ao lançamento de foguetes aeroespaciais recicláveis ou reutilizáveis, obriga automaticamente que os russos tenham a necessidade de baratear os projetos desenvolvidos pelo Kremlin e as empresas nacionais. Entretanto, este é um momento de dificuldades, já que o país não está com tanto dinheiro assim, pelo contrário, como foi dito pelo chefe de defesa russo, “a nação busca conservar a fatia desse tão especial e rico mercado aeroespacial”.

O mega empresário nascido na África do Sul, Elon Musk, ratifica que a tecnologia “reutilizável” diminuirá drasticamente os preços e custos em geral dos lançamentos de foguetes e afins ao espaço a partir de agora, enfim, de fato, “o céu não é o limite”.

Publicidade

Simultaneamente, o setor aeroespacial da Rússia foi abalado de modo sistemático por carecer de mais investimentos e também pelo êxodo de talentos com o fim da ex-União Soviética, o que pode ser percebido em alguns insucessos e desastres nas decolagens espaciais dos últimos tempos. Por outro lado, a Rússia continua sendo um dos principais expoentes mundiais no segmento arquimilionário do transporte aeroespacial de civis. #Negócios #Europa