Em 2018, a NASA lançará uma pequena sonda que usará um sistema de propulsão muito promissor, podendo atingir velocidades até então nunca conseguidas por qualquer artefato humano já lançado.

O novo projeto trata-se da sonda Near-Earth Asteroid Scout (NEA Scout). A um custo de 16 milhões de dólares, esta será a primeira nave espacial a ser lançada além da órbita terrestre totalmente movida por luz solar. A tecnologia, conhecida como vela solar, possui um baixo custo, e pode, futuramente, permitir até mesmo a exploração interestelar.

Após ser lançada, a NEA Scout levará 2 anos e meio para chegar ao seu destino, um asteroide chamado 1991 VG, alcançando a impressionante velocidade final de 28,6 km por segundo (ou aproximadamente 103 mil quilômetros por hora).

Publicidade
Publicidade

A sonda será um CubeSat, um artefato de pequenas dimensões, aproximadamente do tamanho de uma grande caixa de sapatos, e será impulsionado por uma vela solar de 86 metros quadrados.

Vela solar

O conceito da vela solar foi sugerido em 1924, pelos soviéticos Friedrick Tsander e Konstantin Tsiolkovsky, que imaginaram veículos espaciais sendo movidos através de espelhos formados de folhas muito finas, que aproveitariam a pressão fornecida pela luz solar para se alcançar grandes velocidades.

As velas solares, atualmente, são compostas de materiais altamente tecnológicos, extremamente reflexivos e ultrafinos. Quando um fóton (partícula de luz) emitido pelo Sol atinge a vela, ele é deslocado para fora de sua superfície, assim como acontece quando uma bola de sinuca ou bilhar atinge em cheio outra bola, transferindo seu impulso.

Publicidade

Como o Sol emite fótons continuamente, mesmo a grandes distâncias, a aceleração é contínua, atingindo sempre velocidades maiores. Outro fato que conta a favor da vela solar é a miniaturização de componentes eletrônicos, o que torna as espaçonaves mais leves, e exige menos força para a aceleração.

A velocidade inicial de uma vela solar é baixa, se comparada à velocidade inicial de um foguete convencional. Mas o foguete, após consumir seu combustível, não fornece mais propulsão, ao passo que a vela solar é alimentada continuamente. Enquanto houver luz solar, haverá aceleração.

Além da vela solar, a NASA está estudando um novo tipo de propulsão chamado de vela elétrica, proposto pelo finlandês Pekka Janhunen, que se for viável, poderá acelerar uma espaçonave a até 150 km por segundo, ou inacreditáveis 540 mil quilômetros por hora. A essa velocidade, seria possível, por exemplo, sair do Sistema Solar em apenas uma década. #Curiosidades #EUA