O homem, desde os primórdios, sempre manifestou o desejo de voar e conquistar os céus, assim como os pássaros. Prova disso é a história mitológica da Grécia Antiga em que Dédalo e Ícaro, pai e filho, rumam aos céus gregos com asas feitas de penas coladas com cera. Ainda na Grécia, ali viveu o primeiro pesquisador que se deteve no estudo dos mistérios do voo, que foi o filósofo Arquitas de Tarento, em 400 a.C., que construiu uma espécie de máquina voadora, que pode ser entendida como uma pipa ou papagaio.

Muito progresso aconteceu desde os gregos até os dias atuais, em que a ex-União Soviética, por exemplo, construiu no final da década de 80, o Antonov AN-225 Mriya, que é até agora o maior avião do mundo com asa fixa para o transporte de cargas comerciais

Na ocasião, o Antonov AN-225 era 50% maior do que qualquer outra modelo aéreo no mundo, tendo sido idealizado e fabricado por uma equipe de engenheiros soviéticos da empresa Antonov Design Bureau, de origem ucraniana e fundada em 1946.

Publicidade
Publicidade

O objetivo principal da construção do super avião foi o de transportar o Buran, nome de batismo do ônibus espacial soviético, além, é óbvio, dos seus foguetes de lançamento.

O grande sonho de se construir o gigantesco Antonov AN-225 teve início com a fabricação pioneira do Antonov AN-124 Ruslan, com 56 aeronaves feitas e utilizadas sob medida para o transporte de caráter militar, ou seja, os engenheiros soviéticos unicamente raciocinaram sobre um modelo de maior proporção ou com 12 metros a mais e dois motores adicionais. 

Os limites e capacidade do Mryia são os seguintes: a aeronave tem 84 metros de comprimento; 88.4 metros de envergadura de asas; 18.1 metros de altura; tendo uma área da asa de 905m². Sem cargas, o avião pesa 285.000 quilos, atingindo até 640.000 quilos ao decolar. Já com carga, a capacidade máxima levada pela Mryia é de 250.000 quilos.

Publicidade

O avião consegue desenvolver uma velocidade de até 850 km/h, assemelhando-se às aeronaves comuns tripuladas, e possui finalmente seis motores, gerando cada um, empuxo superior a 23.000 quilos.

Foi em 21/12/1988 que o primeiro voo do AN-225 foi realizado na famosa feira aeroespacial de Le Bourget , no Paris Air Show, sendo o avião um dos lançamentos mais esperados do encontro. Entretanto, o AN-225 quase teve o seu fim decretado precocemente por causa da extinção da União Soviética em 1990, o que resultou no cancelamento do programa espacial dos soviéticos, que era o Buran.

Por outro lado, em 2000, devido ao seu poder de voar com grandes cargas e peso, o avião renasceu e ganhou motores novos e mais potentes. Em 2003, o AN-225 voou com 187.500 toneladas de mantimentos para o exército norte-americano, da Alemanha para Omã. A partir dessa data, o avião Antonov faz voos em que leva cargas muito volumosas e pesadas. Em 2010, o Japão contratou a aeronave para o transporte de equipamentos de construção para a reconstrução do Haiti, na América Central.

Publicidade

E o modelo Airbus A380?

Comparativamente falando, o outro gigante da Emirates é o maior avião comercial do planeta, tendo uma altura de 24 metros e 73 metros de comprimento. Transporta até 853 pessoas, comportando até 500 toneladas de combustível. O AN-225 Mriya não transporta passageiros, mas se isso acontecesse o “titã dos ares” conseguiria levar até 1.500 indivíduos, o que é praticamente quase o dobro do Airbus A380. #Negócios #Inovação #Europa