A empresa Terrafugia, situada em Woburn, no estado americano de Massachusetts, acaba de desenvolver um projeto de carro equipado com duas hélices que o transformam em uma espécie de helicóptero. Também possui duas turbinas em seu motor, fazendo com que o veículo seja utilizado tanto como helicóptero como quanto avião. De acordo com projetistas, o carro pode elevar-se do chão sem a ajuda de um piloto profissional O protótipo denominado de TF-X está sendo estudado e deverá sair do papel em meados de 2018, porém os interessados em adquirir o carro híbrido deverão aguardar até 2028. A previsão é que até lá o veículo já esteja disponível para o mercado consumidor.

Publicidade
Publicidade

De acordo com a fabricante, o carro do futuro terá autonomia de voo superior a 700km e durante o voo poderá atingir uma velocidade superior a 330km/h. Para deslocamento em solo, ele será movido a energia elétrica, mas para o deslocamento aéreo será necessário a queima de combustível. O carro também será equipado por um equipamento anticolisão. Além disso, terá os mesmos sistemas de navegação que um avião, inclusive será equipado com um sistema que evitará o voo próximos a áreas restritas, como aeroportos ou bases militares. O carro também será equipado com dois paraquedas, os quais serão ativados em caso de pane durante o voo, além de ser capaz de pousar automaticamente caso o piloto tenha um mal súbito ou relate uma situação de emergência. Em nota, a Terrafugia diz que o preço do carro do futuro está sendo estudado, mas de acordo com a empresa, ele não deverá ser mais caro do que uma Ferrari ou outros carros luxuosos de destaque no momento.

Publicidade

O protótipo já recebeu inúmeros elogios. De acordo com o presidente da entidade, Chris Brinton, o projeto de carro voador traz consigo uma tecnologia inovadora com o certificado NAS (Sistema Espacial de Espaço Aéreo - sigla em inglês). Para Brinton, a Terrafugia está desenvolvendo um modelo ousado e interessante, o qual poderá diminuir os engarrafamentos em grandes cidades.''Agora resta torcermos para que este protótipo saia do papel. Em 1980, iniciou-se  um projeto semelhante, na qual um engenheiro da Flight Innovation desenvolveu um protótipo denominado de N200C1 - Sky Commuter''. Na época, foram gastos mais de 6 milhões de dólares financiados por investidores interessados no projeto. ''Em meados de 1980, o processo de produção ocorreu em alguns complexos industriais, mas por razões desconhecidas, as unidades de produção tiveram que ser fechadas. Sendo assim, a maioria dos protótipos acabaram destruídos ou foram tomados por credores'', concluiu Chris Brinton. #Inovação #Curiosidades