Segundo o site especializado em telecomunicações "Minha Operadora", as operadoras de telefonia brasileiras acabaram de ser notificadas da decisão do juiz Marcel Montalvão, da Comarca de Lagarto, no Sergipe, para interromperem o funcionamento do serviço de mensagens instantâneas #WhatsApp em todo o território brasileiro a partir das 14 horas desta segunda-feira, 2 de maio.

A medida tem duração de 72 horas e é baseada novamente na recusa do aplicativo em ajudar as autoridades brasileiras a desvendar crimes investigados pela Polícia. O WhatsApp se nega a divulgar as mensagens enviadas pelos seus usuários por dizer que não tem acesso ao conteúdo.

Publicidade
Publicidade

No mês passado, o aplicativo passou a avisar os brasileiros de que todas as conversas do aplicativo são criptografadas, ou seja, estão sobre proteção. Isso faz parte da política de privacidade da empresa multinacional.

Prisão de executivo em março

Este mesmo juiz também foi o responsável por ordenar a prisão do vice-presidente do Facebook para a América Latina, Diego Dzodan, que chegou a passar a noite no Centro de Detenção Provisória (CDP) de Pinheiros, bairro da zona oeste de São Paulo. O motivo seria a negativa do WhatsApp (controlado pelo Facebook) de passar informações para a Polícia para ajudar nas investigações criminais. O caso aconteceu em março deste ano.

A prisão do executivo gerou grande repercussão internacional. O Facebook chamou a medida de "desproporcional".

WhatsApp foi suspenso em dezembro de 2015

Os brasileiros já estão começando a ficar acostumados com essas interrupções temporárias no serviço de mensagens.

Publicidade

Em dezembro do ano passado. A decisão foi expedida pela #Justiça de São Paulo. Na ocasião, o aplicativo ficou proibido de funcionar durante o período de 48 horas, mas o desembargador Xavier de Souza, do Tribunal de Justiça de São Paulo, derrubou a liminar de bloqueio cerca de 12 horas depois da suspensão.

Todas as operadoras de telefonia - fixas e móveis - cumpriram a decisão, mas devido ao pouco tempo para avisar aos clientes, acabaram emitindo comunicados por mensagens de texto e gravações de áudio nas suas centrais de atendimento.

O acontecimento gerou comoção dos usuários do serviço, gerando centenas de memes nas redes sociais e reportagens na grande mídia nacional.

O dono do aplicativo, Mark Zuckerberg, por meio de sua conta no Facebook, se disse "chocado" com a decisão da Justiça brasileira de interromper o funcionamento do serviço no país. "Este é um dia triste para o país", escreveu. #Celular