Uma liminar da Justiça bloqueará, a partir das 14 horas de hoje, 2 de maio, o uso do aplicativo Whatsapp por até 72 horas. A solicitação partiu do juiz de Sergipe, Marcel Montalvão, que atua na comarca de Lagarto. Conhecido com um dos aplicativos mais acessados do país, o Whatsapp permite que os usuários compartilhem fotos, mensagens de voz e texto e até mesmo façam ligações usando somente o acesso à internet. A medida prejudicará mais de 100 milhões de usuários brasileiros que atualmente usam o aplicativo.

Esta não é a primeira vez que o Whatsapp fica fora do ar. Em dezembro de 2015, por conta de uma determinação judicial, foi exigido que o aplicativo ficasse pelo menos 48 horas fora do ar.

Publicidade
Publicidade

Porém, o mesmo voltou a funcionar bem antes deste prazo.

As operadoras de telefonia #Celular que atuam no Brasil - Vivo, Tim, Oi, Claro e Nextel - já confirmaram que farão o que a determinação judicial determina. Até porque, caso descumpram, podem ser multadas em até 500 mil reais por dia.

O nome do juiz Marcel Montalvão já é conhecido entre os executivos que coordenam o Whatsapp no Brasil. Em março deste ano, ele mandou prender Diego Dzodan, vice-presidente do Facebook na América Latina. Desde 2014, o Facebook é dono do Whatsapp - pelo qual pagou 19 bilhões de dólares - e do Instagram,- aplicativo de compartilhamento de fotos. Na ocasião, o juiz Marcel Montalvão emitiu o pedido de prisão alegando que o Whatsapp não ajudou nas investigações da Polícia Federal sobre o tráfico de drogas.

A comoção em torno ao bloqueio do Whatsapp em dezembro de 2015 na época chegou até os ouvidos de Mark Zuckerberg, um dos fundadores do Facebook.

Publicidade

Na ocasião, assim que o serviço foi normalizado, ele divulgou a seguinte mensagem: "Whatsapp está de volta no Brasil. Suas vozes foram ouvidas e o bloqueio foi suspenso. Obrigado à nossa comunidade pela ajuda para resolver isso", afirmou. Agora, com este novo bloqueio previsto para hoje, 2 de maio, a expectativa é ou de que Zuckerberg interceda novamente ou de que a liminar seja suspensa o quanto antes. #Desenvolvimento Tecnológico