Assinantes da Netflix estão começando a receber e-mail com uma  notícia não muito agradável. A assinatura do serviço de streaming ficará mais cara para quem não teve o valor corrigido no ano passado. Os novos valores passam a valer a partir do dia 11 de junho.

O pacote básico, que permite uma única transmissão por vez, ficará R$ 2,00 mais caro, passando a custar R$ 19,90. O Standard, que permite duas transmissões simultâneas, passará para R$ 22,90 e o Premium, que permite assistir até quatro conteúdos ao mesmo tempo, custará R$ 29,90.

Os que tiveram reajustes nas mensalidades em 2015 não terão nenhum acréscimo neste ano.  A tabela acima vale também para novos assinantes do serviço.

Publicidade
Publicidade

Apesar do reajuste, as tarifas da Netflix são muito inferiores as que são cobradas pelas TVs por assinatura. O plano Ultra Hd da Vivo TV, com  59 canais, por exemplo, custa R$ 119,90 por mês, segundo o site da empresa.

O catálogo da Netflix no Brasil, segundo notícia divulgada pela Revista Exame em janeiro deste ano, era composto por 3.540 vídeos, sendo 2.957 filmes e 583 séries.

Netflix x Tvs por assinatura

Nos últimos anos, a base de assinantes das TVs por assinatura não para de cair. Na avaliação das empresas, a causa principal responsável por isso seriam os serviços de streaming, mais especificamente a Netflix.

Em represália, as operadoras, capitaneadas pela Vivo, com exceção da Tim que já se posicionou contrária à medida, colocaram em prática um plano para criar uma franquia de dados com a benção da Anatel.

Publicidade

O objetivo principal, mas não declarado pelas operadoras, é dificultar o acesso e desestimular os serviços de streaming no Brasil.

A enorme repercussão negativa sobre o caso, principalmente após declarações desastrosas dos dirigentes da Anatel que responsabilizaram os usuários pela questão, levou o governo federal a garantir que as empresas seriam obrigadas a continuar comercializando planos com acessos ilimitados.

Espera-se, agora, com a queda da presidente Dilma Rousseff,  que o novo governo não apenas mantenha essa obrigação, mas que intervenha para evitar preços abusivos e obrigue as operadoras a entregar a velocidade contratada e paga. #Televisão #Internet