O aplicativo #WhatsApp está longe ser um 'ficha limpa' para a #Justiça brasileira. Após o bloqueio em todo o país, sofrido ano passado, o mensageiro mais popular entre os brasileiros vai parar novamente e a previsão, desta vez, é de que o bloqueio dure por 72 horas.

O responsável pela resolução que definiu a punição ao aplicativo, foi um juiz do estado de Sergipe, que despachou a ordem para que as operadoras de telefonia do país bloqueiem as funcionalidades do WhatsApp, a partir das 14 horas, do dia 2 de maio.

Segundo foi confirmado pelo portal de notícias G1, todas as operadoras de telefonia nacionais já foram notificadas da decisão da Justiça e algumas já efetuaram o bloqueio de forma preventiva.

Publicidade
Publicidade

Caso alguma descumpra a determinação judicial, foi estipulada uma multa de meio milhão de reais.

A decisão do juiz Marcel Montalvão foi embasada em uma medida cautelar solicitada pela Polícia Federal e que foi endossada pelo Ministério Público. A solicitação do bloqueio foi pedida devido ao fato de que o WhatsApp não teria compartilhado informações referentes a uma investigação criminal que havia sido solicitada pela Justiça.

Essa decisão ainda é uma das sanções aplicadas em represália ao aplicativo que levou o representante do Facebook, na América Latina, para a cadeia. O juiz alegou que o amparo para essa decisão está no 'Marco Civil da Internet', segundo o artigo que o magistrado citou, uma empresa estrangeira responde por suas filiais ou sucursais que estejam situadas no país.

Da última vez que o aplicativo foi bloqueado, houve um grande número de downloads de aplicativos equivalentes, como o Telegram e outros mensageiros.

Publicidade

Porém, a grande maioria de usuários brasileiros ainda utiliza somente o WhatsApp.

Uma prática condenável aos olhos da sociedade e da justiça, e que tem se tornado comum nesses aplicativos, é o fato de que pequenas empresas fazem uso da edição de anúncios rápidos para comercializarem armas na rede social. Esse tipo de comércio não é proibido no país, mas deve passar por todos os trâmites legais de funcionamento.