Apesar de não ser totalmente legalizado nos Estados Unidos, onde apenas em 25 estados são permitidos a venda e consumo da planta, o comércio da maconha se transformou em um mercado promissor para algumas empresas, como é o caso da Microsoft.

Conhecida por ser uma empresa do ramo tecnológico, pioneira pela criação do sistema operacional Windows, a organização vem sofrendo com a perda nas vendas de seus produtos. Para lidar melhor com esse problema, a corporação fundada por Bill Gates iniciou uma estratégia: investir em outros setores que não estejam ligados ao Windows.

É o caso da mais nova empreitada: na última quinta-feira (16), a Microsoft revelou que está estabelecendo uma colaboração com a Kind, uma pequena empresa responsável pela criação de softwares específicos para quem administra ou usa maconha.

Publicidade
Publicidade

A startup faz parte de um seleto grupo que vêm transformando o comércio da planta em uma atividade menos ilegal.

No entanto, a Microsoft não estará envolvida exatamente com a parte de produção. O que a empresa está interessada é em ser um intermédio para os estados onde a maconha é legalizada. A ideia principal é oferecer e distribuir o software que será produzido pela Kind. O programa tem a função de ajudar comerciantes a controlar melhor o processo de desenvolvimento. Com o software, será mais fácil manter a produção de maconha nos tramites legais dos estados que permitem o comércio e o uso recreativo da planta.

A união com a Kind faz parte de outras atitudes da Microsoft para reforçar a sua divisão especializada em computação em nuvem. Conhecido como Azure, o novo serviço é uma junção de atividades que vão desde análise, banco de dados e computação, a armazenamento de dados.

Publicidade

O programa da Kind é um dos oito softwares que estarão disponíveis para usuários dos serviços em nuvem da empresa, porém é o único que está ligado à maconha. 

A Microsoft também anunciou, na última semana, por 26 bilhões de dólares, a compra da rede social voltada para perfis profissionais: o LinkedIn#Negócios #Internet #Desenvolvimento Tecnológico