Atualmente, muitos negócios no Brasil e no mundo funcionam graças às redes sociais. Aqui no país, o WhatsApp, por exemplo, fez muita gente economizar com ligações telefônicas. Empresas com serviços Delivery, por exemplo, entregam pizzas e hambúrgueres com a ajuda do aplicativo de smartphone. O mesmo vale para o Facebook. Você, por exemplo, provavelmente está lendo essa notícia porque achou o link no Facebook. No entanto, toda essa vida social na internet e os negócios podem ter um prejuízo histórico. Isso porque a #Justiça Federal do Amazonas está ameaçando não só tirar o WhatsApp do ar, como também o Facebook. 

Em menos de um ano, o WhatsApp já foi retirado do ar várias vezes.

Publicidade
Publicidade

Somadas, foram 43 horas sem realizar atividades pelo aplicativo. As operadoras tiveram que bloquear o popular "zap zap" sob pena de multas altas. Elas também não ficaram tão tristes em realizar o bloqueio, já que em momentos como esse os usuários são obrigados a fazem ligações, que é bem mais caro. A Justiça tem se mostrado dura com o Facebook. Nesta quarta-feira, 27, por exemplo, R$ 38 milhões do site foram bloqueados. Tudo porque a empresa se recusou a liberar mensagens trocadas pelo "Zap Zap". 

E esse valor vai só aumentando. Isso porque a multa diária para cada dia que o Facebook não libera esses dados é de R$ 1 milhão. Tentando manter o negócio, a rede social tem mandado a conta para os usuários. Com isso, ficou mais caro e difícil aparecer para muitos. Pequenos empresários tem reclamado desse "sumiço", assim como os usuários. 

A ação movida pelo Ministério Público Federal do Amazonas foi assinada pelo procurador da República Alexandre Jabur.

Publicidade

Ele não descarta bloquear também o Facebook. "Até agora não tenho notícias de que o Facebook tenha prestado as informações solicitadas", lembrou ele em entrevista à imprensa. O profissional da Justiça, no entanto, disse que não poderia antecipar a execução do caso e lembrou que o Marco Civil diz que empresas que não cumprem a lei podem ter seus serviços suspensos.  #Desemprego