Em 17 de outubro de 2015, a Caixa Econômica Federal disponibilizou gratuitamente um aplicativo para os beneficiários do Bolsa Família. Segundo a descrição do software, é possível com ele acessar as datas de pagamento do programa social, consultar parcelas e conferir extratos detalhados. Além, claro, de encontrar o ponto de atendimento mais próximo. Um detalhe, no entanto, causou indignação nas redes sociais: o serviço também estava disponível para iOS, ou seja, para os caríssimos aparelhos móveis da Apple.

Desde então, o iTunes recebeu 225 avaliações dos clientes, que, de zero a cinco, deram uma média de duas estrelas para o produto.

Publicidade
Publicidade

E deixaram uma enxurrada de críticas ao projeto, algumas bem humoradas. Logo de cara, uma usuária de nome Gabi questionou a origem do dinheiro utilizado por um beneficiário para comprar um iPhone. Outro, de nome Vitor, disse que a iniciativa equivalia a colocar um nariz de palhaço na população. Entretanto, um terceiro, que assinou como Martelotte, comemorou o fato de não mais precisar deixar a ilha que possuía em Angra dos Reis para conferir o próprio saldo.

Para felicidade de Tim Cook, Eduardo Pinheiro prometeu gastar o dinheiro do BF para pagar a Apple Music. Fábio reclamou da instabilidade do serviço na rede 4G. Roger, de tão feliz com o resultado, pediu voto para o "pai Lula", no que foi retrucado por Filé, um usuário que defende a candidatura Jair Bolsonaro para presidente em 2018.

Os clichês também apareceram.

Publicidade

Meia dúzia de pessoas lembraram a metáfora do pescador e da pesca, quando não caberia ao governo dar o peixe, mas ensinar a pescar. 

Nem tudo, no entanto, soa galhofa. Uma garota de nome Espinar retrucou a indignação alegando aproveitar o aplicativo no aparelho que ganhou de uma amiga. João, de Fortaleza, aprovou o projeto com ressalvas, pois notou que o vizinho não conseguia usá-lo no iPhone 5, enquanto funcionava perfeitamente na versão 6. Houve até quem notasse a ausência de integração com iWatch.

Preocupa, todavia, a mensagem deixada por um cliente que assinou como Luis Paulo. O beneficiário sugeriu uma curiosa melhoria em atualizações futuras: quer a possibilidade de cadastrar vários usuários, uma vez que gerencia 23 cartões. Estaria falando a verdade ou ironizando como os demais críticos?

Contudo, a melhor avaliação veio de uma moça chamada Anne: ela sugere ao governo, que andou dando aumentos ao programa, observar em detalhes os cidadãos que utilizam o aplicativo, pois acredita serem maiores as chances de justo estes estarem fraudando o programa – no que há bastante sentido. #Dilma Rousseff #Bolsa Familia #Corrupção