Depois da juíza Daniela Barbosa Assunção de Souza bloquear o serviço do WhatsApp no Brasil nesta terça-feira, 19, o presidente do Supremo Tribunal Federal, RicardoLewandowski, suspendeu a decisão da juíza por volta das 17h30. Ricardo disse que o bloqueio do aplicativo foi uma violação da garantia de liberdade de imprensa, manifestação de pensamento e comunicação, e que foi medida desproporcional, já que o aplicativo também é usado em intimações judiciais, ferindo a segurança jurídica. A decisão é liminar e de caráter provisório, estabelecendo que o #WhatsApp volte a funcionar imediatamente. Foi o PPS (Partido Popular Socialista) que pediu ao STF uma liminar para suspender o bloqueio do WhatsApp, suspendendo a decisão que veio da 2ª Vara Criminal da Comarca de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro.

Publicidade
Publicidade

Jan Koum, presidente-executivo do WhatsApp, criticou o bloqueio do aplicativo no Brasil. Ele disse que a decisão é 'chocante', já que é a segunda vez este ano que o mensageiro é bloqueado pela justiça. Ele disse que milhões de pessoas ficaram separadas de seus amigos, familiares, colegas e clientes por causa de informações que o WhatsApp não tem. 

A juíza Daniela Barbosa determinou o bloqueio do serviço nesta terça-feira depois de, de acordo com ela, o Facebook, dona do WhatsApp, ter sido notificado três vezes para fazer o interceptamento de mensagens que seriam usadas em uma investigação que está ocorrendo na Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro. Daniela criticou uma nota enviada pelo Facebook em inglês, como se essa fosse a língua oficial do Brasil, tratando o país como uma "republiqueta".

Publicidade

O WhatsApp informou que não cumpriu a ordem judicial por causa de 'impossibilidades técnicas', já que a empresa não copia e nem arquiva as mensagens dos usuários. Alguns meses atrás o WhatsApp implementou no aplicativo o sistema de criptografia, ou seja, só quem pode ver as mensagens são os usuários que estão na conversa. Desta forma o WhatsApp não tem como ver as conversas dos usuários, já que elas são criptografadas de ponta-a-ponta. 

As operadoras de telefonia e conexão foram obrigadas a suspender o serviço. Já é a segunda vez que o aplicativo é bloqueado no Brasil este ano. A última foi em maio, quando foi bloqueado por 72 horas.  #Celular #É Manchete!