Parece notícia antiga, mas é quentinha: novamente o serviço de mensagens WhatsApp deverá ser bloqueado no Brasil. A comarca de Duque de Caxias, no Rio de Janeiro, ordenou que as operadoras do país bloqueiem novamente o aplicativo nesta terça-feira (19). As principais operadoras de telefonia em atividade (Tim, Vivo, Claro, Nextel e Oi), ainda não soltaram nenhum comunicado que confirme ou não a suspensão.

Juíza exige informações

Toda esta polêmica reside no mesmo mote: a questão da divulgação de conversas de usuários do aplicativo que são investigados pela #Justiça.

A juíza Daniela Barbosa Assunção de Souza foi quem determinou e exigiu do Facebook – proprietária do #WhatsApp, as informações que são tidas como “confidenciais”.

Publicidade
Publicidade

De acordo com as palavras da própria juíza: "A falta ou a negativa de informação por parte da empresa, deixando de atender a uma determinação judicial, impede aos órgãos de persecução de apurarem os ilícitos e alcançarem os autores dos crimes praticados".

Terceira suspensão judicial do serviço no país

Caso a suspensão do serviço seja confirmada, será a terceira vez que este fato ocorrerá. Em dezembro de 2015, por determinação da justiça de São Paulo, o serviço ficou fora do ar. Em maio deste ano o WhatsApp ficou cerca de 72 horas sem funcionar, em decorrência de ordem judicial expedida pela justiça de Sergipe, e agora, o mesmo deve ocorrer com a ordem oriunda do Rio de Janeiro.

Multa de R$ 50 mil por dia

Enquanto a ordem não é acatada, a multa diária será de R$ 50 mil por dia. Em resposta o Facebook emitiu uma nota em inglês, declarando que não arquiva e não copia mensagens compartilhadas entre os usuários.

Segundo a juíza, o argumento principal para bloqueio do serviço é que os suspeitos investigados pela justiça não utilizam o telefone para não serem rastreados e lançam mão do aplicativo para escaparem de serem pegos em conversas comprometedoras.

Publicidade

Enquanto justiça, empresas de telefonia e Facebook não entram em acordo, usuários nas redes sociais começam a especular maneiras de burlar o bloqueio.  #Crime