O maior grupo de gays, lésbicas, bissexuais e transgêneros do Facebook, o #LGBT Brasil, sofreu um ataque de um grupo de hackers na última quinta-feira, 25 de agosto. O grupo tem cerca de 87 mil membros e tinha como foco debater e divulgar temas relacionados ao universo LGBT. Os hackers conseguiram "roubar" a administração do grupo e expulsar seus administradores reais. Em seguida, mudaram a descrição da página, revelando que ela foi mesmo roubada. Por fim, alteraram o grupo para a privacidade "secreta", ou seja, ninguém mais poderá encontrar a comunidade no Facebook, apenas as pessoas que já faziam parte do grupo. A ação impossibilita que os usuários do Facebook denunciem o roubo. 

Já na noite deste sábado, 27, os vândalos começaram a atacar os próprios membros do grupo.

Publicidade
Publicidade

Os hackers alteraram o nome da comunidade para "Héteros Wall" e publicaram várias mensagens ofensivas a gays e lésbicas. Uma das mensagens, inclusive, pede que pais heterossexuais espanquem seus filhos gays. 

Um dos administradores reais da página, Everton Oliveira, pede a ajuda da comunidade LGBT para tentar reverter o quadro. "Os membros que foram lesados com o roubo do grupo e aqueles que poderão vir a ser lesados no futuro precisam se unir e exigir do Ministério Público Federal uma atitude em relação a esses vândalos", diz. Os criadores do grupo também emitiram o seguinte comunicado oficial:

"Em 25 de agosto de 2016, o maior grupo social de militância LGBT do facebook, o LGBT Brasil, com quase 87 mil membros foi roubado (hackeado) por guerrilheiros virtuais denominados Dark Throne, com inspiração internacional. Eles são uma ameaça a todos os usuários do Facebook, sejam individuais ou coletivos, seja a imprensa livre, grande ou pequena, órgãos oficias ou não, instituições em geral que usam a rede social Facebook para informar, discutir, interagir com a população em geral. Nós, os moderadores e administradores do grupo LGBT Brasil, estamos comunicando e denunciando esse fato ao país e fazendo um apelo às autoridades, mormente ao Ministério Publico Federal, para encontrar os criminosos, indiciá-los e puni-los a fim de barrar essas ações que violam os preceitos democráticos da livre expressão, direito fundamental. Solicitamos também o apoio da população no sentido de exigir que o Estado tome providências urgentes, levando essa exigência ao MPF e à grande imprensa. Por uma internet livre da guerrilha virtual".

Publicidade

Até o momento da publicação desta matéria o grupo continuava nas mãos dos vândalos. #Homofobia