As ações da Apple atingiram nesta quarta feira (14) sua máxima de 2016, com um valor de mercado passando a barreira dos U$600 bilhões pela primeira vez desde abril. O Wall Street está apostando que o novo top de linha da #Apple ajudará nas vendas.

Após uma queda no mercado de ações em que a Apple sofreu na anunciação do iPhone 7, pelo motivo de não ter impressionado o público, suas ações tinham caído em 2,6% para US$ 105,52, a maior queda percentual desde 24 de junho, quando a decisão dos eleitores britânicos de deixar a União Europeia (UE) provocou baixas generalizadas. 

Com os relatos de fortes encomendas do iPhone 7 em operadoras de telefonia móvel norte americas, assim como o amplamente divulgado recall dos smartphones Galaxy Note 7, da rival Samsung, as ações da Apple subiram 4,7%, para US$ 113,03, um ganho de 10% nos últimos três dias.

Publicidade
Publicidade

Sua capitalização de mercado alcançou quase US$ 607 bilhões, ante US$ 535 bilhões da Alphabet e US$ 440 bilhões da Microsoft.

Após ter despencado para uma mínima de dois anos em julho, em que administradores de portfólios descreveram a Apple como uma ação de valor alto e não mais uma peça de crescimento, as ações da empresa mais valiosa do mundo listada em bolsa se recuperaram 25%.

Na terça-feira, a Sprint disse que as encomendas do iPhone 7 subiram quase quatro vezes ante as do iPhone do ano passado. A T-Mobile disse que as encomendas subiram quase quatro vezes ante as do próximo iPhone mais popular.

Detalhes específicos sobre as vendas do novo iPhone são escassos após a Apple ter anunciado na semana passada que não divulgaria as vendas de fim de semana, dizendo que o número era um resultado mais relacionado à oferta do que à demanda.

Publicidade

Uma ótima notícia para maçã favorita do povo, que após uma queda, conseguiu se reerguer de forma bastante ampla e direta. A queda em suas ações provavelmente foi causada pela fala da empresa: A Apple disse que não divulgaria as vendas do primeiro fim de semana do novo iPhone.

Algo normal de se ocorrer quando a imagem de uma empresa acaba sendo "mal vista".