Desde o dia 31 de julho, o Google adotou novas regras para que os usuários do site possam monetizar seus vídeos do YouTube, o que causou muita discussão na #Internet. Como uma das mudanças, alguns temas de vídeos foram considerados inadequados. Acredita-se que a mudança serve principalmente para agradar anunciantes, que poderão investir em canais com conteúdo livre para todos.

O foco da regra se dará principalmente a conteúdos que envolvam assédio, vídeos, mensagens ou comentários ofensivos, revelação de dados pessoais, filmagem de terceiros não autorizada, bem como sexualização indesejada. Falar de assuntos polêmicos e conflitos políticos também resulta na perda de parcerias.

Publicidade
Publicidade

A fiscalização se faz mais nítida nos títulos dos vídeos: Ao encontrar palavras ofensivas ou que remetem a sexualidade, o #Vídeo é automaticamente desmonetizado.

Vídeos enquadrados nos exemplos acima não serão monetizados, e caso forem, não receberão todos os formatos de anúncios disponíveis.

Muitos produtores de conteúdo poderão sofrer prejuízos com a retirada da monetização, pois estes acabam vivendo com o que ganham dessa plataforma, bem como de trabalhos publicitários.

Alguns Youtubers já reclamam da suposta censura do site, seja em vídeos no próprio YouTube ou em outras redes sociais, e alegam já possuírem vídeos cujos anúncios foram retirados. Outros afirmam que as tais regras já existiam e eram aceitas nos termos de uso, e que a plataforma só estaria fazendo uma notificação ou "lembrete".

Publicidade

Ou seja, não haveria mudanças. Caso algum vídeo seja punido, é possível uma reavaliação do conteúdo para a recolocação das monetizações.

O número de pessoas que possuem contas no YouTube equivalem a quase um terço dos usuários da internet e atinge mais adultos de 18 a 34 anos e de 18 a 49 anos do que em qualquer rede a cabo dos Estados Unidos.

Lembrando que, apesar dos produtores não receberem um valor pelos vídeos postados e classificados como "não amigáveis para os anunciantes", eles ainda poderão ficar online e qualquer um poderá assisti-los. #Entretenimento