O site britânico Daily Star revelou que Matt McMullen, diretor executivo da empresa RealDoll, que produz robôs sexuais, pretende lançar futuramente modelos de seus produtos com aquecimento "nas partes certas". McMullen está convencido de que seus ciborgues trarão um impacto positivo nos relacionamentos humanos, fazendo com que os homens aprendam sobre sexo com modelos artificiais, e possam, através dessa espécie de "treino", "encantar" as mulheres de verdade.

Em entrevista ao Daily Star, McMullen afirmou que seus robôs não ameaçarão as interações humanas, e que ao invés disso, irão humanizar ainda mais as conexões sexuais e afetivas.

Publicidade
Publicidade

Ele disse: "Robôs sexuais poderiam revelar-se benéficos. Principalmente para as pessoas que são muito tímidas [e estão] chegando ao mundo do namoro".

O empresário acredita que os robôs, equipados com uma inteligência artificial bem desenvolvida, podem ajudar os indivíduos que têm problemas em termos de comunicação, de modo que, através do relacionamento entre homem e máquina, as pessoas se sintam mais confiantes, deixem seus medos de lado e passem a conhecer mais gente.

Como aquecer os robôs

De acordo com o Daily Star, a RealDoll está pesquisando várias opções diferentes, para descobrir a melhor maneira de aquecer o corpo de seus robôs sexuais. Entre as alternativas, podem ser citadas a instalação de pequenos aquecedores, a utilização da tecnologia encontrada em cobertores elétricos, e até mesmo a criação de uma espécie de sistema circulatório artificial, concebido para fazer com que o calor gerado seja distribuído.

Publicidade

Matt McMullen enfatizou que a empresa está procurando aquecer "áreas específicas", ao invés do corpo todo. O empresário ressalta que, ao tocar o robô, é possível sentir um material que se mostra macio e suave, apresentando qualidades semelhantes às da pele real. No entanto, McMullen comenta: "Mas uma das coisas que você observa é que a temperatura está errada. Está fria ao toque".

O diretor executivo da RealDoll afirmou, ainda de acordo com o Daily Star, que para algumas pessoas, o aquecimento seria muito importante na sua experiência com o robô, um fator que tornaria a relação mais real. #Inovação #Curiosidades #Desenvolvimento Tecnológico