Não é de hoje que os #games são um mercado lucrativo, movimentando bilhões por ano. Mas o que tem ganhado destaque no momento são os chamados "Esportes eletrônicos". Tendo seu maior reconhecimento em países asiáticos, esses games estão contando com cada vez mais participação no cenário ocidental nos últimos anos, e alcançam marcas que impressionam os interessados.

Nada parece faltar: infraestrutura, transmissões ao vivo e campeonatos com estruturas para deixar os torcedores boquiabertos. No jogo "League of Legends", o campeonato mundial foi disputado em Seul, na Coreia do Sul, no mesmo estádio que recebeu a Copa do Mundo de 2002.

Publicidade
Publicidade

Para se entender a quantidade de fãs destes esportes, em 2013, a audiência da final chegou a um total de 32 milhões de espectadores, um número impressionante que ultrapassa o de muitos esportes tradicionais. Isso tem sido extremamente positivo para a empresa que, em 2015, alcançou um impressionante lucro de 1,628 bilhão de dólares.

Outro jogo que também está contando com números astronômicas é o "Dota 2", da empresa Valve, que disponibiliza um item dentro do jogo para que os jogadores contribuam para a premiação do campeonato mundial, o que gera premiações absurdas com valores astronômicos. Foi o caso do mundial de 2016, que contou com a premiação de 20 milhões de dólares, sendo 8,805 milhões apenas para primeiro colocado.

Com uma participação ainda um pouco menos expressiva, mas não menos importante, o mercado brasileiro de #e-sport também está aquecido.

Publicidade

Tendo seu próprio campeonato brasileiro de "League of Legends", já teve finais no Maracanazinho, no Allianz Park, estádio do Palmeiras e, neste último ano, no Ginásio do Ibirapuera em São Paulo, contando com mais de 10 mil pessoas e sendo transmitido pelo canal televisivo Sport TV, onde alcançou uma audiência de mais 2,1 milhões de espectadores.

Os times contam com torcidas apaixonadas e seus atletas são tratados e considerados como ídolos pela internet, rendendo dinheiro também em transmissões individuais de suas partidas. Além disso, os times têm apoio da empresa, que cobra regularmente para que o salário dos jogadores sejam pagos. Já há também interessados em tornar isso algo mais oficializado no Brasil.

Os esportes eletrônicos ainda têm muito para surpreender e sua tendência é que se consolidem cada vez mais pelo número expressivo de jogadores. Então vale a pena ficar de olho nesse mercado! #Tecnologia