Atualmente, relações sexuais virtuais já não são mais nenhuma novidade, o que nos deixa cientes que a tecnologia já está sendo usada para satisfazer os desejos eróticos de várias pessoas. Porém, a tecnologia vem avançando abruptamente nessa área, chegando ao ponto de surpreender e proporcionar a criação de robôs feitos exclusivamente para fazerem sexo e satisfazerem os desejos mais íntimos. Na mente de muita gente, isso parece coisa futurista de cinema, mas esses robôs já são uma realidade e tendem a ser cada vez mais desenvolvidos.

A primeira boneca do mundo feita para fins sexuais, que deu início a essa história, foi batizada de Roxxxy e foi fabricada em 2010 pela empresa americana True Companion.

Publicidade
Publicidade

Roxxxy tem aparências humanas e é incrivelmente munida de inteligência artificial, que possibilita à boneca-robô interagir com o usuário, fazendo pequenos movimentos, apresentando alterações de humor, e até pronunciando palavras picantes quando for tocada nas partes íntimas. O cliente pode personalizar sua boneca de acordo com seu critério e gosto, e para isso terá que desembolsar o valor equivalente a US$ 7.000.

Com o sucesso da invenção da boneca Roxxxy, outros fabricantes também surgiram no setor. Uma delas, foi a Abyss Creations, que também é americana e se especializou na produção de bonecas sexuais com aparências humanas, porém, sem a inteligência artificial. Tendo em vista o futuro aceitável desse produto, a empresa vem investindo forte em programação para os robôs, tudo para tornar a experiência dos clientes com as bonecas ainda mais real e agradável.

Publicidade

Nos dias atuais, a possibilidade de se relacionar com máquinas ainda está no seu início. Porém, no futuro, essa realidade tende a ser mais normal e comum do que poderíamos imaginar. O futurologista Ian Pearson conta no relatório “Future of Sex” que, de forma gradual, as pessoas vão se acostumando com a ideia, e que no ano de 2050, os seres humanos já terão mais relações com robôs do que com seres de sua própria espécie. #sexualidade #mulheres #Robôs sexuais