Conteúdos em texto sempre fizeram muito sucesso na web, porém cada vez mais esse cenário está mudando. Estima-se que em #2017 69% do tráfego da #Internet vão ser realizados em vídeos, e a previsão para 2019 é de 80%.

De olho nesse cenário Mark Zuckerberg vem abrindo cada vez mais espaço a esse tipo de conteúdo. Desde 2015 foi lançada a funcionalidade de adicionar vídeos no #Facebook sem a necessidade de uma plataforma externa como Vimeo ou mesmo o YouTube.  E o Facebook Live foi lançado no ano seguinte, trazendo a possibilidade de fazer transmissões ao vivo pelos usuários da rede social.

O sucesso do vídeo explica-se pela facilidade em consumir o formato, até porque a maioria de visualizações partem de smarthphones, cerca de 65% segundo uma pesquisa feita pelo próprio Facebook, e a leitura de textos longos tornam- se difíceis ou desconfortáveis se realizadas em um aparelho que possui uma tela de tamanho quase sempre pequeno, enquanto os vídeos apesar de serem reproduzidos em uma tela pequena podem ser perfeitamente ouvidos por seus expectadores.

Publicidade
Publicidade

Na chamada de ganhos do terceiro trimestre realizada com analistas nesta quarta-feira Zuckerberg chamou a atenção para o empurrão em colocar toda a empresa do Facebook para se focar em vídeo. "Quero começar falando sobre nosso trabalho em colocar o vídeo primeiro em nossos aplicativos", disse ele.

Zuckerberg aposta que em cinco anos a maioria do consumo online será por vídeo e ele está disposto a entrar na concorrência por dólares de publicidade com o famoso entre os jovens e o queridinho do momento, o aplicativo Snapchat.

E esse interesse se explica no fato de que afinal os anúncios em vídeos são muito lucrativos e serão responsáveis por um possível impulso de anúncios em vídeo em 2017.

"As pessoas estão criando e compartilhando mais vídeos, e achamos que é bastante claro que o vídeo só vai se tornar mais importante", disse Zuckerberg.

Publicidade

"É por isso que estamos priorizando colocar o vídeo em primeiro lugar em toda a nossa família de aplicativos e tomar medidas para torná-los ainda mais fáceis para as pessoas se expressarem de maneira mais rica."