Conhecida como Lepht Anonym, a hacker da Escócia implantou 50 #CHIPS e imãs em seu corpo com o objetivo de se tornar um ser humano mais inteligente, com sentidos mais aguçados. A escocesa autodenomina-se “#TRANSUMANA” em virtude de suas habilidades terem sido transformadas e evoluídas através da #Tecnologia.

Seu lado humano, porém, está sempre em evidência, já que em entrevista concedida a rede BBC, a hacker revelou que o procedimento é extremamente doloroso. Afirma, ainda, que prefere sofrer as dores das implantações e suplantar seus conhecimento ao invés de evitá-las e não constituir a inteligência que tanto almeja.

Embora esteja certa dos benefícios que lhe trarão a experiência, Lepht Anonym não aconselha ninguém a seguir sua façanha.

Publicidade
Publicidade

A transumana é seguidora do filósofo Max More que, em 1990, divulgou essa teoria de que a tecnologia veio para melhorar a qualidade de vida dos humanos.

Em 2007 a hacker fez seu primeiro implante e contou com o auxílio de uma amiga estudante de medicina para fazer o corte e, em seguida, a própria Lepht inseriu o chip. Não apenas chips foram colocados. Ela inseriu também diversos imãs nas pontas dos dedos para que lhe proporcionasse mais sensibilidade no tato, de forma que consegue “sentir” a que distância está o objeto.

Ademais, o sistema nervoso da escocesa funciona através de eletrônicos, cujos sinais percorrem todo o corpo até chegar ao cérebro por meio de circuitos. Uma das vantagens verificadas é a possibilidade de realizar pagamentos sem utilizar cartões. Quando sua mão se aproxima do computador o cartão de memória é capaz de ler os dados do chip implantado e todas as informações aparecem na tela.

Publicidade

Para a rede BBC, a moça comprovou que os instrumentos utilizados são todos esterilizados, a fim de não correr o risco de ter alguma infecção. No Sapiens Anonym, blog criado por Lepht, é possível encontrar diversas informações sobre os procedimentos cirúrgicos, bem como sobre a funcionalidade dos 50 chips implantados. O blog é frequentemente visitado por “biohackers” que se inspiram na Transumana e compartilham da mesma teoria.