Graças à criatividade dos golpistas eletrônicos, vão ficando cada vez mais distantes (e saudosos) os tempos em que “príncipes nigerianos exilados” que se propunham a dividir suas riquezas – em troca de um pequeno adiantamento em dinheiro do usuário incauto, é claro-- eram os reis dos golpes virtuais. Golpes novos aparecem o tempo todo e pegam os desavisados de surpresa.

Segundo o site Olhar Digital, especializado em #Tecnologia, a mais recente criação dos espertalhões virtuais é uma mensagem enviada pelas redes de relacionamentos ou através de aplicativos de comunicação, especialmente, o WhatsApp, informando ao felizardo ou felizarda que a companhia aérea TAM, para comemorar seu meio século de existência, está distribuindo passagens gratuitas.

Publicidade
Publicidade

Tudo que o internauta precisa fazer é clicar no link que vem na mensagem e responder quatro perguntas.

Infelizmente, é tudo mentira: a companhia TAM foi fundada em 1961 com o nome completo de Táxi Aéreo Marília (tem, portanto, 55 anos de idade) e passou a se chamar apenas TAM em 1976 (há 40 anos, portanto), quando o Comandante Rolim Amaro, que tinha metade das ações da companhia desde 1972 e trabalhava na empresa desde 1962 tornou-se o dono depois de comprar a outra metade. Rolim Amaro, que liderou a empresa na trajetória que a tornou a maior companhia aérea do Brasil, superando reveses graves como dois marcantes acidentes (um deles completou 20 anos no dia 31 de outubro deste ano) com aviões do modelo Fokker 100 da companhia nos anos 90, faleceu em um acidente de helicóptero em 2001.

A TAM formalmente deixou de existir ao fundir-se com a empresa aérea chile LAN, formando a maior companhia aérea da América Latina e do Hemisfério Sul, o LATAM Airlines Group S/A.

Publicidade

Além disso, o endereço da suposta promoção não tem nenhuma relação com o site da companhia aérea e algumas das mensagens anunciando-a trazem erros crassos de português.

Em vez de ganhar passagens, o usuário desavisado acabará baixando um malware (um programa malicioso usado para interferir no funcionamento normal de sistemas de computação) no smartphone. O objetivo dos malfeitores é “coletar dados pessoais do usuário, cadastrá-lo em serviços de mensagens pagas e compartilhar o #Golpe com outros usuários presentes nos contatos do aparelho”, explica o site Olhar Digital.

Por favor, avise a quem puder. Todo cuidado é pouco. #WhatsApp