A tecnologia de veículos autônomos, ou seja, veículos que andam sem motorista, alcançou um novo marco. Foi feito o primeiro uso comercial da tecnologia. Há menos de um mês atrás, no dia 25 de outubro, a Otto, empresa de veículos autônomos, junto com a cervejeira AB Inbev, fizeram uma viagem de 200 quilômetros pelas estradas americanas num caminhão carregando 51 mil latas de cerveja.

Para a Otto, o objetivo, pelo menos nessa fase inicial, não é substituir totalmente os motoristas de caminhão. A vantagem seria que "os caminhoneiros terão a oportunidade de descansar durante longos períodos na estrada, enquanto o caminhão continua a dirigir e fazer dinheiro para eles", afirmou a empresa.

Publicidade
Publicidade

Nessa primeira viagem comercial, um motorista foi no caminhão e acompanhou a viagem na área de descanso, logo atrás dos bancos dianteiros. O motorista dirigiu o caminhão na área de carga da cidade de Fort Collins, no estado do Colorado, mas assim que entrou na rodovia, virou um passageiro.

Segurança em veículo autônomo

Alguns se sentiriam muito inseguros em andar num veículo que não é dirigido por um ser humano, mas, segundo a National Highway Traffic Safety Administration (Administração Nacional de Segurança de Tráfego nas Estradas), 94% das colisões são causadas por erro humano.

O percurso do caminhão autônomo para a empresa AB Inbev, da cidade de Fort Collins a Colorado Springs, foi feito numa velocidade média de 89 km/h.

Veículos autônomos usam dados de radares e sensores que os seus computadores internos interpretam e depois calculam e determinam o caminho a ser seguido, velocidade, bem como o trânsito ou obstáculos ao redor.

Publicidade

As empresas de tecnologia e montadoras dizem que um dos objetivos principais dos veículos autônomos é evitar acidentes; porém, os testes apontam que há ainda falhas no sistema que precisam ser corrigidas. Os carros da Google, por exemplo, já se envolveram em alguns acidentes. A empresa afirma que eles foram provocados por outros motoristas, que estavam distraídos. Não teria sido culpa de nenhum dos carros. No entanto, em fevereiro deste ano, um carro autônomo da empresa atingiu lateralmente um ônibus. Os registros mostram que o computador não julgou corretamente a ação do ônibus que estava contornando obstáculos na pista e colidiu com sua lateral.

O acidente foi muito leve e ninguém se feriu. O acidente aconteceu numa velocidade muito baixa, cerca de 24 km/h.Vale ressaltar que os carros autônomos nunca saem por aí sem absolutamente ninguém dentro deles. Sempre há um motorista que opera o veículo no "piloto automático" vendo como o software dirige e que mudanças devem ser feitas para chegar ao nível máximo de segurança.

Publicidade

Neste caso, o motorista também não conseguiu julgar corretamente o que o ônibus faria e não assumiu a direção, chegando à mesma conclusão do software, e deixando o carro bater na lateral do ônibus.

Otto e Uber

A empresa de veículos autônomos Otto foi comprada pelo Uber em agosto deste ano. O objetivo do Uber é também atuar no mercado de transporte rodoviário dos Estados Unidos, que movimenta cerca de 700 bilhões de dólares ao ano.

A Otto é uma empresa nova, que não tem nem um ano ainda e foi fundada por Anthony Levandowski e Lior Ron, ambos eram funcionários de alto nível da Google. A dupla agora vai liderar as operações da Uber na área de veículos autônomos.

Lior Ron afirmou ao site Business Insider: "A demanda cresce cada vez mais por motoristas que possam dirigir mais em menos tempo. Vivemos numa época em que todos queremos apertar um botão e fazer algo chegar até nós o mais rápido possível. Bem, sempre tem um caminhão por trás de todos esses produtos." #Ciência #CARROS E MOTORES