O Facebook nessa quarta-feira (15/02) passou a permitir que empresas nos EUA e Canadá utilizem as aplicações de candidatos à empregos, o que representa um desafio enorme para o LinkedIn, rede social da Microsoft. Os usuários do #Facebook serão capazes de encontrar postagens de ajuda em páginas de negócios na plataforma, ou procurando em um novo marcador de "postos de trabalho", localizado na aplicação móvel da rede social líder.

"Empresas e pessoas já usam o Facebook para contatar e encontrar empregos, por isso estamos desenvolvendo novos recursos que permitem postagem de #Trabalho e aplicação diretamente no Facebook", disse a gigante da Internet, com sede na Califórnia, em uma mensagem online.

As postagens de emprego poderão aparecer nos fluxos de notícias se as empresas pagarem para promovê-las. Ao clicar em um botão "Apply Now"" (aplicar agora), abrirá um formulário online, já preenchido com informações relevantes de uma pessoa (perfil do Facebook), de acordo com as informações da rede social.

Os candidatos serão capazes de adicionar, editar e rever os formulários antes de enviá-los. Os representantes das empresas, que gerenciam páginas de negócios no Facebook, poderão examinar aplicativos e, em seguida, contatar possíveis candidatos utilizando o serviço de comunicação de texto do Messenger.

O Facebook afirmou ainda que testou as novas ferramentas nos EUA e as lançará mais amplamente em breve, tanto nos EUA, como no Canadá.

A Microsoft divulgou recentemente um aumento nos lucros no último trimestre, mostrando ganhos em computação em nuvem e outras novas áreas de foco ao absorver a rede social do LinkedIn. A gigante da tecnologia dos EUA, que já há algum tempo está se afastando da dependência somente de softwares para uma ampla gama de serviços, disse que a aquisição do LinkedIn aumentou sua receita nos últimos três meses do ano, mas arrastou o lucro.

É importante ressaltar que a Microsoft também possui uma pequena parte dos lucros do Facebook, devido a um investimento na rede social realizado há cerca de uma década. #Emprego