O primeiro #satélite #Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) brasileiro será lançado este ano. O satélite ou SGDC faz parte de uma parceria entre o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e o Ministério da Defesa.

Pesando 5,8 toneladas e com 5 metros de altura, o satélite ficará a 36 mil quilômetros da superfície da terra e cobrirá todo o território brasileiro. Dois centros de controle estarão operando o equipamento de alta tecnologia, um em Brasília e outro no Rio de Janeiro. Cinco gateways, equipamentos que farão o tráfego de dados do satélite, serão instalados em Brasília, Rio de Janeiro, Florianópolis, Campo Grande e Salvador.

Publicidade
Publicidade

O equipamento de uso civil e militar terá um papel fundamental não somente para melhorar a segurança e velocidade da banda larga, mas para fiscalizar 17 mil quilômetros de fronteira do Brasil com 10 países Sul-Americanos. O SGDC vai estender o PNBL - Programa Nacional de Banda Larga - a todo o território nacional e beneficiar o setor aeroespacial.

Greve atrasa lançamento

Devido a uma greve geral na Guiana Francesa, o SGDC, que estaria operando em março, teve seu lançamento adiado. Com o fim da greve, a nova data foi definida para o dia 4 de maio, segundo o ministro de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicação Gilberto Kassab durante o Fórum Espanha Brasil nesta segunda-feira (24).

Gilberto Kassab destacou em entrevista a importância para a segurança nacional e melhoria nas conexões de banda larga para o cidadão brasileiro, tanto para atividades pessoais quanto profissionais.

Publicidade

Lançado o SGDC, o Brasil passa a fazer parte de um grupo de países que conta com seu próprio satélite geoestacionário de comunicações, o que diminui muito a necessidade de alugar equipamentos de empresas privadas, gerando economia e maior segurança.

Ao contrário do satélite, a antena de comando do SGDC, com cerca de 40 painéis, já vem sendo alinhada e testada desde janeiro de 2016. O equipamento instalado em Brasília (DF), na área do Sexto Comando Aéreo Regional (VI COMAR), já está pronto para operar. Segundo a Telebras, a fase de montagem é muito importante e um trabalho muito delicado.

Para os usuários brasileiros de internet fica a expectativa de desfrutar de uma conexão à rede mundial de computadores com qualidade e muita velocidade. A chamada banda Ka, uma das bandas em que o SGDC opera, terá uma capacidade de 54 Gbit/s. Além de uma melhor velocidade, o sistema permitirá a cobertura de todo o território nacional, levando internet, inclusive, aos municípios mais distantes, em todo o Brasil. #Satélite Brasileiro