Embora muitas pessoas já tenham ouvido falar sobre Deep Web (Web Profunda), a maioria não quer nem chegar perto. O motivo varia, seja pela insegurança em não possuir conhecimento necessário, seja pelo medo de adentrar em uma navegação desprotegida. A #Deep web é obscura e de difícil acesso, abrindo os caminhos apenas para as pessoas que possuem um rico conhecimento em informática.

Por que é de difícil acesso? E quem acessa?

Imagine que você está procurando uma receita para preparar um bolo de banana. Você simplesmente pesquisa no Google, Yahoo ou Bing e eles lhe mostram um retorno de diversos sites com o assunto pesquisado.

Publicidade
Publicidade

Isso só acontece porque os sites e seus conteúdos estão indexados em buscadores de pesquisas. Porém, na Deep Web, isso é bem diferente, a começar pela necessidade de um navegador específico, como o Tor, FreeNet e i2p. Depois, existe a dificuldade em encontrar assuntos procurados e sites de interesse porque na Deep Web os links não são indexados e aparecem de formas avulsas, jogadas na #Internet. Os usuários que acessam a Deep Web são aqueles que possuem um amplo conhecimento sobre o assunto e entendem todos os mecanismos e meios.

Qual o conteúdo que a Deep Web possui?

Em 2001, foi feita uma pesquisa pela Universidade da Califórnia baseada na estimativa de que a Deep Web possui cerca de 7.500 terabytes de informação. Em 2004, detectaram cerca de 300 mil sites da Deep Web e, de acordo com a pesquisa, cerca de 14 mil desses eram russos.

Publicidade

Outra pesquisa feita pela empresa Internacional BrightPlanet, em 2000, apontou que 95% dos dados disponíveis na Deep Web eram páginas públicas, normalmente oriundas de órgãos públicos, universidade e empresas, guardando documentos públicos, artigos científicos e etc. Também possui conteúdos considerados "ilegais", como por exemplo como obter passaporte falso.

É sempre importante reforçar para todos os usuários da #Tecnologia que, por mais que um sistema de segurança seja o melhor no ramo do mercado, sempre haverá uma falha e, onde há falhas, há perigo. Por isso, deve-se utilizar a tecnologia sempre com toda a sabedoria e cuidado que se possa ter.