Publicidade
Publicidade

#alerta para os usuários do CCleaner: o programa utilizado para apagar o rastro de arquivos e para otimização de desempenho operou infectado com um malware na sua versão 5.53, que ficou disponível entre os dias 15 de agosto e 12 de setembro. De acordo com a Avast, empresa detentora do aplicativo, a falta de segurança do programa afetou 2,27 milhões de usuários do Windows 32 bits. Uma nova versão do CCleaner, sem qualquer tipo de vírus, foi disponibilizada no último dia 15 de setembro.

Apesar de não ter afetado diretamente os usuários, como ter colocado arquivos maliciosos diretamente no computador, a versão infectada do CCleaner carregou um malware que é capaz de colher dados do usuário.

Publicidade

Entre as informações coletadas de programa estão o nome do computador, número de IP, lista de programas instalados e dados de quando esses programas estavam funcionando. As informações estavam sendo repassadas para um servidor localizado nos Estados Unidos.

Os diretores da Piriform, responsável pelo software informam que uma investigação foi iniciada para tentar descobrir como os hackers conseguiram infectar o programa. Junto com a investigação e verificação, os responsáveis pelo programa garantiram que conseguiram diminuir o número de infectados para 700 mil. No último dia 15, a empresa enviou atualizações automáticas para as versão com o problema, que é a 5.5.33.6162. Após o susto, a empresa informou que está trabalhando para que a falha de segurança não aconteça novamente.

Após a informação, muitos usuários utilizaram as redes sociais para avisar sobre o programa infectado.

Publicidade

Porém, muitos passaram a disseminar uma informação para proteção. A grande maioria alertava que o CCleaner precisava ser desinstalado e depois, o usuário infectado deveria fazer uma revisão do computador por um antivírus.

Em comunicado oficial, a Piriform destacou que os usuários não precisam desinstalar o programa. Quem tem a versão danificada do aplicativo deve apenas atualizá-la. A revisão com o antivírus é opcional, já que deve ser feita periodicamente para a proteção do computador.

A empresa também fez questão de deixar claro que sabia do problema antes de a informação vazar para a empresa. No comunicado, a Piriform afirmou que não ficou sabendo pelo blog de especialistas em segurança Cisco Talos. De acordo com a fonte oficial, a Avast estava a par do problema desde o dia 12 de setembro, quando as investigações foram iniciadas. #Computação