Publicidade
Publicidade

Internet de alta qualidade é uma das altas demandas que o Brasil busca obter ao longo dos próximos anos, entretanto, a região #Nordeste largou na frente para modernizar ainda mais essa tecnologia.

Os próximos passos a serem dados é expandir essa internet de fibra ótica a 100% em no máximo 10 anos, assim como está ocorrendo a substituição da TV analógica para a subsequente TV digital.

A informatização possibilitou a geração de novos empregos e, consequentemente, uma #integralização maior de pequenas cidadezinhas com o meio urbano. Essas empresas que utilizam essa demanda crescem aos poucos atendendo a um número reduzido devido à falta de financiamentos, como é o caso da Brisanet.

Publicidade

A maior parte das cidades brasileiras possui capacidade de receber velocidades de 2 a 10mb, o que é considerado baixo para o nível de infraestrutura mundial.

Um dos maiores desafios é essa velocidade boa onde quer que a pessoa esteja (em casa ou na rua). O 3G e 4G têm grandes premissas para que se possa resolver ao longo dos próximos anos, porém, para poder utilizar do melhor do que está sendo oferecido, tem o famoso jeitinho brasileiro para se conectar com outras pessoas.

As grandes operadoras têm investido na informatização para que mais pessoas possam usufruir dessa rede e, principalmente, têm dado uma estrutura adequada para chegar às pequenas regiões e até nas populações ribeirinhas.

A Vivo investiu cerca de oito bilhões somente nesse ano. A Tim, nos próximos dois anos, prevê um capital investido de 12 bilhões e, por fim, a Oi, somente 3,8 bilhões, devido a inúmeras ações que estão por trás da empresa.

Publicidade

No Brasil há cerca de 39,1 milhões de residências que possuem banda larga fixa, ou 3G e 4G na telefonia móvel. Caso esse processo seja expandido serão inclusos para mais de seis milhões de casas.

Em tempos de crise, a região Nordeste se destaca por ter uma mão de obra menos abrangente. Além de ser considerada uma região de grandes frutos, capazes de gerar postos de emprego e rentabilidade, principalmente pelo fato de compreender outras áreas como a eólica, que está em constante desenvolvimento.

Enquanto o acesso à internet de qualidade (por fibra) não chega a todos os municípios brasileiros - meta que o governo pretende garantir com a nova política de banda larga [VIDEO] em até 10 anos -, provedores regionais, operadoras e ONGs buscam a ampliação do acesso usando para isso diferentes tipos de tecnologia. #Conexao