Escondido em um tranquilo estúdio de design numa cidade de rápido crescimento, uma equipe de animadores jovens, ilustradores e programadores de computador está trazendo uma antiga aldeia chinesa para a vida digital.

Usando o software de pintura e textura tridimensional, a equipe - em sua maioria graduados das principais escolas de artes da China - faz a adição de detalhes intrincados aos templos, palácios e pagodes. Os membros da equipe também estão ajudando a animar os movimentos dos personagens digitais, incluindo dois pandas nomeados Po e Mei Mei.

"Isso é o que eu realmente amo fazer", diz Fang Zheng, um animador de 32 anos de idade, que estudou artes ambientais na faculdade.

Publicidade
Publicidade

"Eu sempre fui interessado em personagens e desenhos animados e coisas desse tipo". O projeto, que faz parte da próxima parcela do blockbuster de Hollywood, a franquia de filmes "Kung Fu Panda", representa uma mudança de ambições 'moviemaking' da China.

Não é mais somente conteúdo para construir cenários de filmes e fornecer extras nos filmes de Hollywood, os estúdios chineses estão subindo na cadeia de valor, ajudando a desenvolver, projetar e produzir filmes de classe mundial e filmes de animação. Eles querem um papel mais importante no processo criativo, que lhes permitirá colher mais recompensas, financeira e artisticamente.

"Kung Fu Panda 3" é a primeira colaboração entre a hollywoodiana DreamWorks Animation e seu parceiro chinês, Oriental DreamWorks, que é, em parte, de propriedade de um fundo de investimento do governo e um private equity firme, China Media Capital.

Publicidade

A DreamWorks Animation assumiu a liderança no trabalho criativo e design para o filme de animação, que está programado para ser lançado no início de 2016. A Oriental DreamWorks contribui adicionando elementos chineses, criando storyboards e peças de construção dos conjuntos de digitais em 3D. "Nós estamos tentando desenvolver talentos criativos chineses", diz James Fong, chefe-executivo da Oriental DreamWorks.

É parte de um esforço mais amplo por parte da China Media Capital no negócio do #Entretenimento. Ao longo dos últimos anos, a empresa de investimento fez acordos com a Warner Bros e IMAX Corporation of Canada. Ele também ajudou a desenvolver uma versão chinesa do programa de TV "The Voice".

Para as empresas americanas, tais colaborações oferecem acesso a novos talentos e a chance de entender melhor a cultura que será cada vez mais retratada em seus filmes. E trata da co-produção proporcionar maior acesso ao mercado fortemente regulamentado da China, que em poucos anos, deve superar os Estados Unidos como o maior mercado de cinema do mundo. #Negócios