'Forte conteúdo erótico e com muitos apelos sexuais', em músicas e coreografias feita por crianças e adolescentes do mundo do funk, motivaram o Ministério Público a instaurar inquérito para averiguação dos fatos.

MC Melody, cantora de funk é uma criança de apenas oito anos de idade, mas seus vídeos no YouTube têm milhões de visualizações. A garotinha está na mira do Ministério Público que trata o caso como suspeita de "violação ao direito e a dignidade de crianças e adolescentes".

A investigação ficou à cargo da Promotoria de Justiça de Defesa dos Interesses Difusos e Coletivos da Infância e da Juventude da capital de São Paulo.

Publicidade
Publicidade

Conforme nota publicada no inquérito, a pequena funkeira "canta músicas com palavras que ferem o pudor, com grande apelo sexual fazendo poses muito sensuais, que não condizem com o #Comportamento de uma criança". Tudo fica por conta do pai dela que também é do mundo do funk e a dirige em carreira solo.

Outros pequenos ligadas ao mesmo gênero de música também estão sendo investigados: Mc Princesa e Plebéia, Mc 2K, Mc Bin Laden, Mc Brinquedo e Pikachu.

A promotoria tenta alertar as famílias para o dano que esse tipo de exposição pode causar às crianças/adolescentes, tanto as que se mostram quanto as que assistem.

PETIÇÃO - Inquérito Nr. 103/2015

Para ser aberto esse inquérito muitas denuncias chegaram às mãos do Promotor Eduardo Dias de Souza Ferreira, oriundas do Ministério Público e cidadãos que se sentem incomodados ao ver várias crianças do funk tão expostas.

Publicidade

A polêmica que vem causando Mc Melody foi o assunto mais abordado essa semana na internet (mais de 50 mil acessos), isso teve como conseqüência uma Petição no site Avaz que solicita "Intervenção e investigação de Tutela" ao Conselho Tutelar.

A funkeira mirim teve seu perfil no Facebook retirado do ar depois que internautas revoltados mandaram um abaixo assinado denunciando cenas de "exposição sexual", onde a menina se mostra em danças e fotos sensuais. Em apenas quatro dias foram mais de 25 mil assinaturas.

Tentou-se ouvir o pai da cantora, Mc Belinho, sem no entanto ter-se obtido sucesso. Em entrevistas passadas ele declarou que isso é perseguição ao funk e que sua filha faz porque gosta e não a obriga a nada: "Ela canta e dança desse jeito porque gosta, mas se ofendeu tanto a sociedade estaremos mudando nossa postura", diz Mc Belinho. #Televisão #Família