O show dos Rolling Stones foi recentemente considerado, após uma pesquisa na revista quase homônima Rolling Stone, um dos 10 mais aguardados no Brasil - apesar disso, ainda não é a América do Sul que será agraciada com ilustres presenças. Eles estão de volta à estrada, como informa o último vídeo oficial deles, postado no You Tube, com uma turnê pela América do Norte.

Quinze das principais cidades da América do Norte serão agraciadas com a apresentação da banda mais longeva de todos os tempos no Rock, como San Diego, Columbus, Minneapolis, Dallas, Atlanta, Orlando, Nashville, Pittsburgh, Milwaukee, Kansas City, Raleigh, Indianapolis, Detroit - a "Rock City", segundo o conjunto mascarado KISS - Buffalo e a canadense Quebec.

Apesar de seus membros serem septuagenários - Ron Wood, guitarrista, é o mais novo, com 67 anos; Mick Jagger, vocalista, 71; Keith Richards, guitarrista, 71 e Charlie Watts, baterista, 73 - parados é que eles não ficam, de jeito nenhum! Exatamente fiéis ao próprio nome da banda: Rolling Stones, ou "pedras que rolam", que jamais criam limo, cujo nome foi idealizado pelo guitarrista e fundador Brian Jones em 1962, falecido em 1969, inspirado no nome de uma canção do bluesman Muddy Waters: "Rollin' Stone". 

A banda, que iniciou suas atividades em 1962, ainda possui três membros originais: o vocalista Mick Jagger, o guitarrista Keith Richards e o baterista Charlie Watts. Ron Wood entrou no conjunto em 1975, substituindo o excelente guitarrista Mick Taylor, que por sua vez entrou no lugar de Brian, quando este veio a falecer. 

São mais de 50 anos de estrada. São muitas histórias para contar, que couberam em diversos livros, muitos deles em português, falando do envolvimento dos membros com o ocultismo, as drogas, sexo, brigas internas e muito rock'n'roll. 

No início os Stones se apresentavam no Crawdaddy, um clube londrino cujas frias tardes de domingo tinham suas temperaturas aumentadas perto do palco onde Mick, Keith, Brian, Bill Wyman, Charlie e o agregado Ian Stewart tocavam suas versões para os rocks de Chucky Berry e de diversos bluesmen para um público formado por adolescentes selvagens. Enquanto a neve caía do lado de fora do Crawdaddy Club no sudoeste de Londres, faíscas choviam sobre a platéia. 

Em certa ocasião, quatro moços de Liverpool foram vê-los tocar. A reação dos Stones foi de ficar de queixo caído e de pensarem "Inferno... são os Beatles!" Mas Mick, Keith e cia não precisavam se preocupar. Continuaram tocando explosivamente e no final da apresentação os integrantes das duas maiores bandas de rock de todos os tempos ficaram bons amigos. 

Quando os Beatles se separaram em 1970, os Rolling Stones estavam no auge de suas carreiras, passando por uma nova e produtiva fase com o notável guitarrista Mick Taylor. As pedras repletas de drogas rolaram pesadas em avalanche por várias vezes, e quando não eram as pedras, vinha o ego imenso de Mick Jagger, como uma tsunami a querer transformá-los em pó, em meados dos anos 80. Era sua tão amada carreira solo, repudiada por Keith Richards, que não aceitava a dedicação no trabalho que não fosse direcionada para a banda. Sorte que a carreira solo de Mick foi um desastre, pois em seguida as duas principais pedras se reconciliaram e produziram o excelente álbum Steel Wheels de 1989. Daí por diante voltaram a rolar redondas.  #Entretenimento #Música

Se você tiver uma grana extra ainda pode pegar o primeiro show, no dia 24 de maio em San Diego, no Petco Park. A turnê norte-americana se encerra no dia 15 de julho em Quebec.
Eles sabem que é apenas rock 'n' roll... mas eles gostam. E nós também!