Ele interpreta o medroso e curioso Neco na novelinha do SBT 'Chiquititas'. O sucesso do produto infantil, no entanto, fez com que o ator Kaik Pereira de apenas doze anos já sinta o lado ruim da fama. Através de seu perfil no Instagram, o pré-adolescente divulgou uma mensagem com insultos de um dos seus seguidores. Nela, um internauta chama o menino de "macaco" e "lixo". Segundo o seguidor identificado apenas como Marcos, o ator de 'Chiquititas' só se acharia bonito por ser famoso e estar em uma novela, que é um verdadeiro fenômeno de audiência.

Mesmo com a pouca idade, Kaik Pereira foi maduro e respondeu pedindo para que Deus tivesse piedade da alma do tal internauta.

Publicidade
Publicidade

Quem acabou apoiando o ídolo de 'Chiquititas', foi o também ator mirim Matheus Ueta, ela pode ser visto na reprise de 'Carrossel' e nas manhãs do SBT, onde apresenta o 'Bom Dia & Cia'. "É inacreditável que ainda exista racismo no Brasil. Isso é revoltante", disse a pequena celebridade de apenas onze anos de idade.

Lei de racismo no Brasil não é cumprida à risca

Criada há quase 30 anos, a conhecida lei Caó (7.716/1989), classifica a injúria racial como um crime inafiançável. A prisão para quem comete esse tipo de atitude pode chegar a até cinco anos no regime fechado, além do pagamento de multa e indenizações ao injuriado. No entanto, ela não é seguida de forma rígida no Brasil e muitos crimes acabam passando sem punição. Não são só anônimos que sofrem com os comentários maldosos, atores, apresentadores e até esportistas já foram alvo de insultos racistas.

Ato de preconceito com grande repercussão em jogo de futebol 

No ano passado, o então jogador do Barcelona Daniel Alves se viu em uma situação parecida.

Publicidade

Um torcedor do Villarreal, adversário de seu time, jogou uma banana no campo durante uma partida de futebol. O atleta segundos depois pegou a fruta, descascou e comeu. O vídeo com o momento inusitado acabou viralizando na internet e diversas personalidades da mídia acabaram encabeçando uma campanha para o fim do preconceito. Intitulada como "Somos Todos Macacos", o movimento teve o apoio de outros jogadores, como Neymar. #Entretenimento #Famosos #Televisão