O telespectador que liga o televisor, especialmente aos domingos, se depara com dramas da vida real exibidos na TV. Pessoas mutiladas, deficientes, pobres ou com qualquer outra característica que faça muita gente chorar tem suas vidas retratadas na telinha. A "desgraça na TV" sempre foi recorrente e nos anos 90 chegou ao seu auge, quando Faustão e Gugu brigavam para ver quem apelaria mais. No entanto, nos últimos meses esse tipo de pauta voltou com tudo e quem sofre é o telespectador, que já deve estar desidratado de tanto chorar, ou então já desligou a TV faz tempo.

Se nos dias de semana, os programas policiais, como o 'Cidade Alerta' da Record e o 'Brasil Urgente' da TV Bandeirantes já enchem o público de notícias sanguinárias e ruins, nos fins de semana, quando muita gente quer uma válvula de escape para se divertir, mais drama é encontrado nos canais abertos.

Publicidade
Publicidade

Neste domingo, 21, não foi diferente, depois de fazer mais uma brincadeira repetitiva com a turma do 'Carrossel' no 'Passa ou Repassa' do 'Domingo Legal' do SBT, Celso Portiolli mostrou um casal que vive com dificuldades em São Paulo. Eles vendem brigadeiros com os filhos para sobreviver. "Daqui a pouco você vai conhecer essa história emocionante", disse Celso inúmeras vezes.

Quem não gostou de assistir a pauta e partiu para a TV Record encontrou situação parecida. Um homem que só tem uma perna falava como conseguia fazer para dançar. Geraldo Luís, por sua vez, dizia que todos iriam se emocionar com essa história de superação. No dominical do canal de bispo Macedo ainda encontramos uma menina pobre que cantava em um feira e um suposto filho de Leandro, que nunca conheceu seu pai.

Esse tipo de matéria para programas de #Entretenimento só demonstra que nossa #Televisão passa por uma profunda crise de criatividade.

Publicidade

Resta a nomes como Silvio Santos, com seus quadros nostálgicos, conseguir alegrar o telespectador. O público tem razão de sentir saudades das atrações do passado, que pelo menos tentavam inovar, hoje ninguém quer nem mais ter o trabalho. O importante é fazer mais do mesmo.   #Famosos