Neste sábado, 18, o programa 'Estrelas', da Rede Globo de #Televisão, exibiu uma entrevista com o sertanejo Cristiano Araújo, que faleceu depois de um acidente em uma estrada de Goiás. O material foi ao ar depois de muitos pedidos de fãs, que queriam ver o depoimento de seu artista na Globo. A conversa com Angélica aconteceu no Pantanal. Cristiano cantou seus sucessos e também ajudou a preparar uma sopa paraguaia, uma espécie de torta muito conhecida na região do Mato Grosso do Sul.

O cantor falou sobre seu dia a dia e revelou que sua maior preocupação seria sua família, especialmente com seus pais e filhos. Cristiano disse que assim que conseguia tirar uma folga de seus shows, pegava um avião para chegar o mais rápido possível a Goiás, onde podia ficar um tempo com sua família. 

Araújo ainda falou que procurava promover diferentes atividades com seus filhos.

Publicidade
Publicidade

Cristiano disse ser um cantor romântico, revelando que suas músicas que mais tocam no rádio falam de amor. No entanto, os maiores sucessos do cantor são hits agitados. Angélica até chegou a fazer uma brincadeira com o bara bara berê berê. 

O músico chamou esse tipo de hit de besteirol, que ele e outros cantores colocam na internet, acaba fazendo sucesso e depois passa no rádio. O famoso também contou que não sabia cozinhar, mas que tinha vontade de aprender. Ele lembrou de sua infância, informando que seus avós vieram da roça. Cristiano Araújo contou também algumas histórias de onça, que sempre foram relatadas por sua família e amigos. O músico tinha apenas 29 anos.

A entrevista é exibida dois dias depois da família de Cristiano Araújo entrar com um processo contra o jornalista Zeca Camargo, também da Globo.

Publicidade

O motivo da ação foi a opinião do profissional da mídia em forma de crônica. Zeca fez um texto exibido pelo 'Jornal das 10' da Globo News em que comparou a comoção pela morte do cantor aos livros de colorir. Camargo também disse que os brasileiros precisam de ídolos de verdade e chamou toda a catarse que se criou seria uma pobreza cultural de nossa sociedade.  #Entretenimento #Música