Duas emissoras abertas brasileiras estão prestes a unir os seus setores comerciais. Apesar da legislação brasileira proibir que uma pessoa detenha duas concessões, Edir Macedo e Silvio Santos prometem driblar esse empecilho, mas de uma maneira muita única. O tema foi discutido durante a visita do apresentador e dono do SBT ao Templo de Salomão, sede mundial da Igreja Universal do Reino de Deus. O passeio que foi visto como um momento ecumênico, na verdade, foi um encontro de gente grande, para discutir #Negócios. Silvio Santos quer unir SBT e Record, para assim aumentar a presença dos dois canais no mercado publicitário. Com tino para os negócios, o patriarca da família Abravanel quer diminuir o poder da Rede Globo de #Televisão, garantindo assim vida longa para seu canal.

Publicidade
Publicidade

Basta voltar à década de 80 para entender um pouco da relação entre Edir Macedo e Silvio Santos. O dono do Baú já dividiu as ações da TV Record com a família Carvalho, cada um tendo 50% das ações. Com a venda da sua parte para Macedo, Silvio conseguiu ter cacife para investir em uma canal completamente seu, sem depender de nada nem ninguém. Apesar de publicamente os dois empresários dizerem que só se encontraram poucas vezes na vida, ambos sempre estiveram muito próximos. A nova união foi destaque nesta terça-feira, 11, no site Notícias da TV, em reportagem do jornalista Daniel Castro.

Segundo dados apurados pelo Notícias da TV, a Rede Globo possui entre 75% a 85% do dinheiro da publicidade na TV aberta. Mesmo não tendo essa porcentagem de audiência, o canal leva a maior parte do bolo.

Publicidade

Os demais canais sempre reclamaram disso, mas agora com a união de SBT e Record isso ficará ainda mais claro. Com a união, a expectativa é que SBT  e Record cresçam até 30% em suas verbas comerciais. 

 

A ideia de Silvio Santos é que as agência sejam obrigadas a pagar valores conforme a audiência de cada canal. Se um comercial para um programa que atinja 10 pontos em São Paulo, na Globo, custa R$ 100 mil, o valor seria, por exemplo, de R$ 50 mil para um produto do SBT ou da Record que alcança 5 pontos.