O jornalista José Luiz Datena fez sérias acusações nesta quinta-feira, 24, contra o secretário municipal de transportes de São Paulo, Jilmar Tatto. De acordo com o comunicador que é um dos pré-candidatos à prefeitura de São Paulo, o secretário estaria fazendo pressão para fazer ele sumir da #Televisão. O comunicador revelou que Jilmar Tatto teria "chiado" com Johnny Saad e que tentou "calar sua boca". Datena foi além e disse que o profissional ligado ao prefeito Fernando Haddad, do PT, teria tentado provocar sua demissão da TV Bandeirantes.

Datena questionou o Partido dos Trabalhadores se não existiria para eles liberdade de imprensa e disse que se Johnny Saad não fosse democrático, provavelmente ele estaria fora do ar.

Publicidade
Publicidade

A declaração do comunicador foi dada ao vivo, durante o 'Brasil Urgente'. O jornalista que está movimentando a política ainda disse que o secretário foi à emissora questionar se ele realmente seria candidato à prefeitura de São Paulo. "Se eu vou ou não o problema é meu, não seu", esbravejou o homem que recentemente se candidatou ao PP, o Partido Progressista. 

Para Datena, a atitude do PT seria uma clara evidência que o partido estaria com medo de perder para ele em 2016. O jornalista disse que o aliado de Fernando Haddad foi muito crítico à sua pessoa e que só teve o objetivo de prejudicá-lo. "Não tenho medo de sair daqui, tenho medo de perder a vergonha na cara", continuou o comunicador, que no passado já havia dito que nunca seria candidato à uma eleição.

Jornalista se alia a delegado para eleições

José Luiz Datena deve compor uma chapa com o delegado Antonio Assunção de Olim, deputado estadual.

Publicidade

Olim deve vir como candidato a vice-prefeito. Para o apresentador, o delegado teria uma personalidade coerente com a atual sociedade, especialmente no quesito segurança público, assunto que muito interessa aos paulistanos. Além de Datena, outras duas figuras da mídia são cotadas a se candidatarem no ano que vem ao pleito paulista. São elas: Celso Russomanno e João Dória.