Rede Globo perde público para o SBT ao acabar com programas infantis.

Até sua quinta edição, exibida neste sábado (05), o novo programa 'É de Casa', da Rede Globo, deu apenas prejuízos para o canal. Sem ações de merchandising e audiência muito abaixo do esperado, a atração apresentada por Ana Furtado, André Marques, Cissa Guimarães, Patrícia Poeta, Tiago Leifert e Zeca Camargo (ufa!) mais parece um "catadão de apresentadores", como bem mencionou o jornalista Ricardo Feltrin, do site UOL. A situação que já é ruim, fica pior quando o programa ao vivo registra audiência abaixo da TV Globinho (sessão de desenhos extinta para dar lugar ao "É de Casa") e ainda perde para o SBT no horário de sua exibição.

Publicidade
Publicidade

Fica evidente que o novo contrato que a emissora de Sílvio Santos fez com a Disney recentemente foi um dos maiores acertos para o canal em 2015. Para se ter uma ideia do tamanho do sucesso, mesmo no domingo, que geralmente é o dia dos programas de auditório na TV brasileira, o "Mundo Disney" se saiu bem. Com a exibição do filme teen "Beach Movie", o SBT registrou 7 pontos de audiência segundo dados preliminares do IBOPE. Ainda no assunto dos números de audiência na Grande São Paulo, o "É de Casa" vem marcando médias entre 5 e 6 pontos, já a TV Globinho oscilava entre 7 e 8 pontos.

Todos esses números servem para mostrar que a Rede Globo se precipitou ao limar completamente o público infantil de sua programação, e errou muito mais ao escalar nomes como Zeca Camargo e Patrícia Poeta para apresentar ao público pautas totalmente distantes de sua realidade.

Publicidade

E o erro não começou quando a emissora tirou do ar a TV Globinho, mas sim lá atrás, quando abriu mão do "Bob Esponja" e o entregou de bandeja nas mãos do SBT, que diga-se de passagem, soube aproveitar muito bem.

Não faz parte do feitio da Rede Globo tirar do ar um programa logo após a sua estreia, mesmo que a audiência seja pífia. Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos e descobrir qual será o destino da maior emissora do Brasil no ano de 2015. #Televisão #Opinião