O ator tem que ser sempre um "camaleão", uma pessoa que esteja disposta a se travestir de qualquer personagem para viver um trabalho. Henri Castelli, nascido no subúrbio de São Bernardo, confessa que gostaria de fazer um personagem pobre, para voltar as raízes.

Pertinho de acabar mais um personagem, o vilão Gabo de "I Love Paraisópolis", ele confessa que está um pouco cansado de fazer sempre o personagem do rico e vilão, com o mesmo estereótipo de "mau caráter".

Apesar de ter feito muito sucesso como vilão, a exemplo de Estevão de "Cobras e Lagartos" (2006) e o Jorge Junqueira de "Como uma Onda" (2005), sem contar com o atual Gabo de "I Love Paraisópolis", Henri Castelli diz ter nascido na periferia e ter orgulho disso.

Publicidade
Publicidade

Em uma entrevista dada ao "F5", Henri Castelli desabafa: "Tenho vontade de fazer vários personagens, não é por que tenho olhos claros que só posso fazer papel de rico. Tenho capacidade de fazer um personagem pobre também". Ele fala que não nasceu rico, mas sim, pobre, no subúrbio de São Bernardo, no meio da comunidade.

"Não é que eu tenha olhos claros que eu tenha nascido em berço de ouro, sou totalmente diferente dessa imagem que fazem de mim, a minha realidade é diferente da que veem, sou mais da comunidade do que qualquer um dessa novela", diz o ator. 

Sobre a novela, ele diz não ser a favor dos princípios do seu personagem, mas torce para que ele tenha um bom desfecho e que seja "justo", olhando do ponto de vista que ele é um vilão. Ele ainda fala que seu personagem não mede esforços para conseguir o que quer, ele não tem sentimentos, nem remorso nas maldades que pratica, um verdadeiro sociopata.

Publicidade

O ator confessa não saber o fim que terá seu personagem, mas tem um palpite, é que ele acha que Gabo volta para Polartex e dá uma rasteira em Dom Peppino, personagem vívido por  Lima Duarte. Depois de "I Love Paraisópolis", Henri Castelli tem outros projetos, um deles seria uma participação em "Malhação", onde fez, ao lado de Juliana Silveira, o papel de protagonista em 2002. #Famosos #Novelas #Blasting News Brasil