O primeiro lançamento da Netflix no #Cinema parece não ter agradado as redes de cinema dos EUA. O #Filme "Beasts of No Nation" (sem título em português) é o primeiro produto de longa metragem da operadora de TV por streaming que será lançado simultaneamente em salas de cinema e também online no canal de assinaturas da empresa.

E esta estratégia é que está criando um impasse entre a Netflix e as redes de cinemas nos Estados Unidos, que ameaçaram não exibir o filme, caso a empresa não reveja essa decisão. E o reflexo deste posicionamento das redes de cinemas pode atingir o mundo inteiro, pois a maioria delas possuem salas exibidoras próprias ou em grupos por vários países, inclusive no Brasil.

Publicidade
Publicidade

Segundo as redes de cinemas, lançar digitalmente os filmes junto com a exibição tradicional afetará a venda de ingressos e prejudicará este mercado. Em uma declaração dada ao jornal The Washington Post, o vice-presidente da associação nacional do setor, Patrick Corcoran disse que "Os donos das salas de cinema se frustram quando o Netflix faz comentários importantes sobre mudar a indústria" e que "não se pode revolucionar a indústria das salas de cinema sem incluir essa indústria". 

Apesar da polêmica sobre a estratégia de lançamento da obra,  o filme possui ótimo histórico de crítica e aceitação. O longa estrelado pelo ator inglês Idris Elba foi premiado em festivais em Veneza, Telluride e Toronto, abrindo caminho para ser um dos grandes concorrentes do Oscar neste ano.

Contando a história de um garoto adotado por um chefão de uma guerrilha após a morte de seus pais em uma guerra civil, a história narra sua trajetória até se tornar uma criança-soldado em um país africano, mostrando cenas de conflitos, desafios e remete a situações de abandono, insegurança e dependência afetiva e psicológica de crianças órfãs da guerra armada.

Publicidade

Netflix tem pouco crescimento nos EUA

Em uma matéria divulgada no Portal MSN Dinheiro, acionistas e investidores estão apontando que o serviço de assinaturas está abaixo da previsão para o terceiro trimestre de 2015. Em carta oficial, a empresa alegou que isso ocorreu por conta do novo sistema de cartões de créditos que está sendo implantado no país, que passará a ser com chip, semelhante ao que temos no Brasil. Por isso, até a plena mudança de cartões antigos para novos, o mercado de assinaturas por streaming será gradual.

No Brasil, a Netflix já possui mais de 2,2 milhões de assinantes e fatura cerca de R$ 500 milhões por ano, faturamento próximo de TVs abertas como Band e Rede TV, de acordo com a coluna do jornalista Daniel Castro da UOL. 

Estima-se que a Netflix possua mais de 69 milhões de clientes em mais de 50 países pelo mundo e suas ações na bolsa Nasdaq fecharam no patamar de US$ 101,09 cada unidade, no último dia 15 de outubro. Além do serviço de streaming de filmes, séries e programas a empresa pensa em investir em conteúdo jornalístico no futuro, gerando desconforto em emissoras de tv paga. #Entretenimento