O programa de competição culinária MasterChef foi um enorme sucesso para o canal de #Televisão Bandeirantes, sendo responsável por aumentar o ibope e o faturamento com inúmeras campanhas publicitárias. Tal fato fez com que a emissora quisesse repetir a dose realizando o MasterChef Júnior. Este iniciou na última terça (20) e como sua versão original, “bombou” no Twitter, porém, por outros motivos: ameaças de cunho pedófilo e homofóbico, ambas direcionadas a dois participantes de 11 e 12 anos.

A estreia do Masterchef Júnior também foi bem-sucedida nos números do Ibope.

Infelizmente, o talento dos pequenos foi ofuscado no momento que alguns internautas preferiram fazer comentários homofóbicos e pedófilos nas redes sociais, enquanto o programa acontecia.

Publicidade
Publicidade

Valentina, 12 anos, assediada por pedófilos

A vítima dos comentários pedófilos foi Valentina, uma candidata, de apenas doze anos de idade. Os internautas, principalmente no Twitter, postavam frases de cunho sexual relacionadas à candidata, que por ser loira e ter olhos azuis, chamava a atenção.

Eram comentários sobre o corpo de uma menina de apenas doze anos de idade, algo extremamente problemático e que precisa ser solucionado de uma forma rápida.

Hytalo, 11 anos, sofreu comentários homofóbicos

O pior, é que não foi somente o #Crime de pedofilia, relacionado a uma participante do Masterchef Júnior, que aconteceu na internet na noite da última terça-feira, pois, algumas pessoas, não satisfeitas somente em exporem uma menina de doze anos de maneira absurda, ainda praticaram homofobia, com um menino, também candidato do mesmo programa.

Publicidade

Foram centenas de frases questionando a sexualidade do garoto, o qual, tem somente onze anos e provalvemente ainda não definiu sua orientação sexual, basta dar uma busca nas redes sociais para ver a que ponto chega a violência dos internautas, alguns ameaçando inclusive a integridade física dele.

As famílias dos dois candidatos já procuraram a direção da Bandeirantes buscando encontrar uma solução jurídica para esses crimes e a própria direção do canal diz que está dando todo o apoio, tanto psicológico, quanto jurídico para os participantes e para as famílias afetadas.

É importante lembrar que tanto pedofilia como a homofobia são crimes no Brasil, inclusive, passíveis de prisão, por isso, devem ser combatidos e denunciados a todo momento.