A revista queridinha dos americanos e dos brasileiros, com mais de sessenta anos de vida anuncia o fim das publicações de fotos de modelos nuas. As fotos nuas são ícone da revista que já estampou em suas capas diversas famosas pelo mundo todo. Por enquanto, a mudança atingirá somente a revista americana, que passa por uma grande reformulação.

De sua estreia com a atriz Marilyn Monroe até os dias de hoje, a Playboy sempre buscou através de modelos nuas atingir seu público masculino. A  partir de março de 2016, a revista não terá mais fotos nuas de modelos, de acordo com o Jornal New York Times, a linha editorial será mantida assim como fotos sensuais sem nudez total.

Publicidade
Publicidade

Essa mudança ocorre após a revista eliminar o conteúdo considerado pornográfico do site em 2014, quando o site quadruplicou o número de acessos chegando a 16 milhões de usuários únicos.

Polêmicas da Playboy no Brasil

No país a revista já publicou exemplares polêmicos com artistas e famosos em situações inusitadas  que vão de mãe e filha nuas, há ensaios com uma menor de idade estampando suas capas. A playboy já publicou a ex-jogadora de basquete Hortência de forma inesperada, mãe e filha em sua capa com Ticiane e Helô Pinheiro, a transexual Roberta Close, Carla Perez (ex dançarina do grupo É o Tchan) que posou três vezes para a revista durante o sucesso do grupo. O mais polêmico ensaio da revista no Brasil foi em 1987 quando a adolesceente que fez teste para ser paquita do programa da Xuxa não foi selecionada Luciana Vedramini posou para a revista antes dos 18 anos.

Publicidade

Novos números da revista

A reformulação da revista acontece também após a queda vertiginosamente das vendas de exemplares da Playboy. Além diso, o usuário que busca conteúdos pornográficos está distante apenas um clique de milhares de sites de conteúdos gratuitos. 

O público da revista também modificou nos últimos anos, os leitores que possuíam idade média de 47 anos, hoje possuem cerca de 30 anos. A revista vendia 5,6 milhões de exemplares na década de 50 passou a vender 800 mil em 2014. #Moda #Televisão #EUA