No mês de outubro, uma pesquisa mexeu com um dos mercados mais potentes do planeta, o alimentício. De acordo com uma investigação feita pela Organização Mundial da Saúde, a OMS,o consumo de carnes processadas, como presunto, mortadela, bacon e até carne seca, pode aumentar o índice de incidência de câncer. Uma simples salsicha, quando comida diariamente, pode aumentar até 18% o risco de uma pessoa ter a doença. Os dados impressionantes, é claro, deixaram milhões de pessoas com medo.

Esse temor já efetua uma mudança significativa nas empresas alimentícias, até mesmo no modo de anunciar seus produtos. Uma das maiores marcas brasileiras, de acordo com informações do jornalista Ricardo Feltrin em reportagem publicada neste domingo, primeiro de novembro, a Seara e Fátima Bernardes, jornalista da #Rede Globo, decidiram parar de anunciar comerciais com ela falando sobre linguiças, presuntos e outros produtos que estariam dando câncer. 

A imagem de Fátima tem muita credibilidade e ela gosta de passar a ideia de saúde em seu programa.

Publicidade
Publicidade

Mas não é só um caso específico, todas as empresas do rama sofreram com a pesquisa da OMS de alguma maneira, nenhuma delas que ficar como a grande vilã da saúde. 

Com isso, a Seara agora vai apostar mais em propagandas de suas massas, até baixar a poeira e as pessoas esquecerem dos tais dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde. 

É bom dizer que as empresas alimentícias estão fazendo duras críticas à essa apuração científica que teve o apoio da instituição mais respeitada do mundo no ramo da saúde. Até mesmo médicos e cientistas dizem que os dados são extremamente alarmistas, e, que, por isso, merecem alguma desconfiança. 

Donas de casa já até brincam, dizendo que não vão poder comer quase nada. A linguiça e o presunto então lado a lado com o tabaco e o álcool, que até tem restrições em seus anúncios.

Publicidade

Os de cigarros foram proibidos na televisão, já as bebidas precisam vir com mensagem educativas, como "Se beber, não dirija", "Beba com Moderação" e etc. #Organização Mundial de Saúde