Toda a emissora, quando estreia uma novela espera que ela seja um grande sucesso, que sugue a audiência e crie uma tendência na televisão. O problema é que isso raramente acontece fora do canal líder, TV Globo. A Record nesse ano teve essa proeza, mas não soube aproveitar a boa fase. Usando uma história que já tinha tudo para ser parada, a rede de TV ainda esticou mais os capítulos adaptados por Vivian de Oliveira. O resultado foi a queda no Ibope nos capítulos finais do folhetim.

Esse foi o primeiro grande erro da Record, a enrolação, que é até algo muito comum na teledramaturgia. Basta subir a audiência para os autores investirem em tramas paralelas, recebendo um recado da direção da casa para esticar as tramas.

Publicidade
Publicidade

O problema é que 'Os Dez Mandamentos' não tinha muito para onde ir, até porque é baseada na Bíblia, ou seja, não dá para inventar um romance com Moisés (Guilherme Winter), por exemplo. Além de esticar o número de capítulos de sua novela, a Record também aumentou o número de intervalos e o tempo de exibição da trama. Ainda assim, o público foi paciente e deu à rede de TV 28 pontos pontos de média e 31 pontos de pico na grande São Paulo. Cada ponto representa cerca de 67 mil domicílios na maior cidade do país. 

O segundo erro cometido por 'Os Dez Mandamentos' é a falta de planejamento. O sucesso da novela foi muito maior do que o previsto e o que o canal que a exibe fez? Além de esticar a trama, ainda decidiu fazer uma segunda temporada da novela, filme, CD, livro e tudo mais o que desse. Até os fãs mais assíduos vão precisar ficar atentos para tudo o que acontece.

Publicidade

Coitados! A falta de planejamento também se refletiu com as mudanças de datas das #Novelas da emissora. A Record preferiu exibir pela terceira vez consecutiva em três anos 'Rei Davi', já 'Escrava Mãe' foi parar no limbo. Será exibida quando Deus quiser, ou melhor quando Edir Macedo achar que é melhor. 

O terceiro erro, mas não menos importante é a hipocrisia da emissora. Dentro do 'Cidade Alerta', Marcelo Rezende chamava o folhetim de novela da família brasileira. A propaganda vinha entre uma e outra matéria pingando sangue do telejornal.  #Famosos #Televisão