O Brasil registra uma das maiores crises econômicas e políticas da sua história. Algumas personalidades, como Irene Ravache, já disseram publicamente que estão decepcionadas com o Partido dos Trabalhadores, o PT, legenda que levou Dilma Rousseff à presidência da república.

A decepção é motivada, dentre outras coisas, por conta do alto número de desempregos que o país registra. Apenas em 2015, o número de baixas deve chegar a ultrapassar a marca de um milhão de vagas perdidas. 

Em entrevista ao jornal carioca O Dia, a atriz Carolina Dieckmann falou sobre o seu envolvimento com política. 'Quem tem emprego que se agarre', disse a profissional da dramaturgia sobre a crise que passa o Brasil.

Publicidade
Publicidade

Carolina disse ter muita #Opinião sobre o assunto, mas que evita falar porque acha que não vale a pena. Para ela, seus atos como pessoa pública são mais importantes para a sociedade do que o partidarismo.

"A gente aprende a ficar calado", disse Dieckmann. Ela revelou que em momentos como o que o Brasil passa, são especialmente os escolhidos para evitar uma manifestação política. 

Carolina, que chegou a ter fotos íntimas divulgadas na internet, e que depois acabou virando o apelido de uma lei contra crimes na internet, disse que tenta evitar as polêmicas, por achar que isso é extremamente desagradável, mas que sempre teve muita opinião. Ela conta que já falou demais e que foi prejudicada por isso, decidindo aprender com os próprios erros.

Os erros, segundo ela, aconteceram porque ela começou a carreira muita nova e que a imprensa era de outra forma, colocando ela no foco o tempo todo. 

Demissões em todas as áreas

Para a atriz, todos os brasileiros sofrem na procura por empregos, não só os atores.

Publicidade

Ela lembra que muitos jornalistas foram demitidos nos últimos tempos e que, quando chega a crise, o melhor é esperar e tentar manter os seus postos de trabalho. O ano deve fechar com uma das mais altas taxas de inflação dos últimos tempos, acima dos 10%. Ainda assim, o PIB deve recuar em torno de 3%. #Famosos #Crise no Brasil