Uma multa milionária em jogo. O rei da sofrência, o cantor Pablo, que ficou conhecido em todo o Brasil por conta do hit "O Homem não Chora" está sendo processado pelo compositor nordestino Marinho de Almeida. O profissional da #Música acusa Pablo de plágio por ter supostamente se apropriado de uma música composta por ele. O problema inusitado, no entanto, não envolve só o cantor da sofrência, mas também uma rede de #Televisão e um apresentador conhecido. A pendenga judicial também se relaciona com o canal de Edir Macedo, a TV Record, e com o apresentador Rodrigo Faro, o eterno "Dança Gatinho". 

Em entrevista à coluna "Terraço Paulistano", da Revista Veja São Paulo, a advogada do compositor Marinho de Almeida, Mônica Zilinskas, disse como tudo começou.

Publicidade
Publicidade

Segundo ela, o cantor Pablo foi fazer mais uma de suas apresentações em um programa de televisão, o escolhido foi o de Rodrigo Faro. Em dado momento da atração, o cantor começou a chorar cantando a música "Mãe", de autoria de Marinho de Almeida. A advogada disse que o músico fez com que todos pensassem que era ele o dono da canção e que teria escrito a composição para sua mãe, que já faleceu. 

No processo, o compositor pede altas cifras de danos morais, R$ 2 milhões. O dinheiro ficaria a cargo, caso o ganho de caso seja dado ao autor da ação, para as três partes acusadas, no caso: Pablo, a Record e Rodrigo Faro. Ao ver a cena na televisão, Marinho de Almeida chegou a tentar um acordo amigável com a TV Record, relatando que eles haviam errado ao dizer que a música era de autoria de Pablo. Na ocasião, o apresentador disse que o "rei da sofrência" compôs a linda canção para sua mãe, mas que não aguentava cantar de tanta emoção.

Publicidade

O músico ouviu tudo calado, não negando que seria ele o compositor. "Mãe" foi composta há vinte anos, no ano de 1995.

O empresário de Pablo, Josué Eleutério, defende o seu assessorado dizendo que no programa o músico em nenhum momento disse que a canção seria de sua autoria. A TV Record disse à Veja que não tem ciência do processo.  #Famosos