Heni Ozi Cukier é cientista político e professor de Relações Internacionais na ESPN, de São Paulo. As argumentações dele sobre o que teria motivado os ataques do Estado Islâmico à capital da França, Paris, contribuíram para diversos veículos de comunicação. Em um espaço de três horas, Heni esteve em um canal a cabo e em duas emissoras de televisão aberta, Globo e SBT. A primeira aparição dele foi ainda na noite de sexta-feira, 13, quando a Globo News, canal a cabo, fazia uma ampla cobertura do que acontecia na França. 

No 'Jornal das Dez', Heni lembrou que o possível assassinato de um dos terroristas do Estado Islâmico não estaria ligado aos atentados, já que não daria tempo para que os criminosos conseguissem fazer uma ação tão orquestrada.

Publicidade
Publicidade

Ao todo, pelo menos seis locais na França foram vítimas de ataques de bombas e de homens fortemente armados com armas automáticas. 

Em seguida, o cientista político ficou mais de meia hora no 'Jornal da Globo', novamente lembrando diversos fatos recentes que envolvem o terrorismo. Dentre outras coisas importantes, Heni disse que boa parte dos estrangeiros europeus que fazem parte do Estado Islâmico são justamente franceses, por isso, os ataques à Paris ganhariam ainda mais representatividade. O ideal de liberdade da França também faz com que os atos sejam uma espécie de ultraje a toda a humanidade, que no geral, preserva valores parecidos. 

Cientista político aparece diversas vezes na mídia em poucas horas

Menos de uma hora depois, o cientista político já estava em Osasco, novamente ao vivo, por volta das duas da manhã, no 'Jornal do SBT', que excepcionalmente não foi gravado devido à importância do noticiário.

Publicidade

O rosto do entrevistado em tantos programas fizeram com que os mais atentos logo perguntassem se só ele trabalharia com relações internacionais em São Paulo. 

Já na tarde desta quarta-feira, já descansado das horas de explicações, o cientista político voltou a aparecer, dessa vez, durante o 'Jornal Hoje'. À jornalista Sandra Annemberg agradeceu pela preferência. #Terremoto