Há cinco anos Thiago Lyra, então estudante de economia da Universidade Federal Fluminense (UFF) conheceu uma chilena que fazia mestrado em arquitetura na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRRJ), depois de um tempo se apaixonaram e começaram a namorar. Por duas vezes foram ao Chile, porém, na última viagem, Lyra não quis regressar ao Brasil, abrindo mão de tudo para morar no estrangeiro. 

Sem visto de trabalho e precisando ganhar dinheiro para se sustentar, Lyra começou a fazer o que sempre sonhou desde a infância: viver de #Música. Assim, começando sua peregrinação em tocar pelos ônibus de Santiago, gravando seus próprios vídeos clipes, até conseguir a oportunidade de tocar em um programa popular de rádio na capital chilena e mais tarde emplacar o hit "Bajo Las Estrellas" .

Publicidade
Publicidade

Com sua popularidade em franca ascensão, conseguiu ter sua música vinculada na novela "A Toda Costa - Distintos Mundos, El Mismo Verano." (que ainda não foi ao ar) e assinou contrato com o selo Cactus Music. Após acerto com a gravadora, além de trabalhar na produção de seu novo disco "Con Amor Para Mis Amores" (ainda sem previsão de lançamento), julgou que era hora de regressar ao Brasil para iniciar a carreira em seu país, ainda em solo chileno, viu pela internet alguns portais de notícias brasileiros divulgando sua sonhada turnê que inicialmente passaria pelas cidades de São Gonçalo (sua cidade natal), Niterói, Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília e Paraty, esta última, foi a única cidade em que não conseguiu tocar, já nas outras, conseguiu shows porém abaixo do que se imaginava.  

- Eu sabia que encontraria dificuldade por não ter meu trabalho tão conhecido aqui, mas, não sabia que seria tão difícil assim.

Publicidade

Praticamente tive que começar meu trabalho do zero, mas desde o princípio a turnê foi pensada como um ato de semear. De vir aqui e contar a minha história no Chile e divulgar meus conteúdos embora a divulgação seja massiva nas redes sociais, minha música não chega aqui.

Uma das inúmeras dificuldades em seu regresso: "tornar-se estrangeiro em seu próprio país", como consequência, se deu conta da realidade musical brasileira que não consome músicas hispânicas gerando estranheza aos contrantes com receio da reação do público com a novidade, por isso, em muitos shows Lyra acabou fazendo versões de sucessos da MPB em paralelo ao seu repertório para tocar em alguns bares. 

- Eu só volto ao Brasil, só rico ou morto, porque se depender das oportunidades daqui, a minha arte não vai surgir. Então, eu tenho que estourar lá fora e ganhar dinheiro para chegar aqui com recurso para investir em dinheiro com oportunidade, para eu fazer meu próprio evento, porque depender de terceiros é complicado.

Contudo, faz questão de ratificar que a sua estadia em solo brasileiro não foi perdida. 

- Não foi viagem perdida, cumpri minha meta em fazer apresentações no Brasil e conhecer pessoas.

Publicidade

Em São Paulo, conheci uma assessoria de comunicação que se interessou em divulgar meu trabalho, isso poderia mudar a minha visão de voltar ao Brasil ou rico ou morto. Mas eu preciso conversar com o pessoal da minha gravadora primeiro. 

Na terça (24), Lyra esteve na rodoviária de Niterói gravando cenas para o documentário sobre sua passagem pelo Brasil, intitulado "Um Ato de Fé" que está sendo produzido pelo coletivo audiovisual Moinhos de Vento.

Após as gravações, Lyra despediu-se, para seguir de ônibus para capital paulista e de lá, embarcará rumo a Santiago a fim de retomar a carreira no país que resolveu chamar de seu. #Curiosidades #Rio Cultura