Um caso que chocou o país teve fim nesta terça-feira, 15. O Tribunal de Justiça de São Paulo condenou o ator e cantor Maurício Mattar por atropelar e bater em um motoboy. O incidente aconteceu em 1999, mas os advogados de Mattar estavam protelando a decisão desde então. A #Justiça determinou que dois veículos importados de Maurício sejam penhorados. Segundo informações do jornalista Ricardo Feltrin, não cabe recurso contra a decisão. 

A decisão ocorreu 16 anos depois do acidente. Maurício atropelou o motoboy Rodrigo de Matos. Nervoso, Mattar partiu para cima do homem e o agrediu. Diversas pessoas que estavam no local presenciaram a agressão e foram ao tribunal depôr contra o agressor. 

 

Em entrevista ao UOL, o vencedor da ação, Rodrigo Matos, confirmou que ganhou o processo em todas as instâncias da disputa.

Publicidade
Publicidade

No entanto, a defesa de Maurício teria feito tudo o que pôde para adiar o cumprimento e pagar a indenização à vítima, que decidiu largar a carreira de motoboy com medo.  

Tratamento para esquecer o que aconteceu e medo

O homem agredido disse que precisou passar por tratamento psicológico e médico após o acidente, não conseguindo assim retornar para sua antiga atividade laboral. Na última ação antes da última, a justiça já tinha determinado que Mattar pagasse um indenização de R$ 40 mil. O advogado do ex-motoboy achou o valor baixo e decidiu recorrer. 

Carros penhorados

Na sentença definitiva, o agredido ficará com o dinheiro de dois carros importados, que serão penhorados pela justiça. Estima-se que o Alfa Romeu 156 de 2001 e que o Daihatsu de 1999 valham hoje juntos cerca de R$ 50 mil. 

À procura de justiça

 

O homem atropelado e agredido disse que não abriu o processo contra o motorista por dinheiro, pois segundo ele, o valor não paga o que ele passou em sua vida, mas que está fazendo justiça, fato que considera mais importe.

Publicidade

O ex-motoboy queria que Maurício pagasse pelos seus atos de  alguma forma. ar os defensores ou assessores de Mattar, que está fora do ar há alguns anos. #Crime